milan milan milan milan-brasil milan milan milan
para o Banco de Dados Voltar para o Banco de Dados

JOGOS DO MILAN NA TEMPORADA 2004-2005

38a rodada, Domingo 29 Maio 2005, UDINESE  1 X 1  MILAN

Marcadores: Di Michele aos 11 st e Serginho aos 40 st

O Milan joga contra a Udinese a última partida da temporada 2004/05, ainda sob choque pela derrota de Istambul na Final da 50a Champions League. O treinador Ancelotti, apesar de utilizar muitas reservas, consegue obter um ótimo empate por 1 a 1. No segundo tempo, a Udinese passa em vantagem com Di Michele e o Milan empata com Serginho.
Muitos torcedores do Milan seguiram o time até Udine para encorajá-lo neste momento difícil após a derrota com o Liverpool e uma grande faixa nas arquibancadas dizia: “Sem medo juntos a Paris em 2006”, expressando a certeza de que, na próxima temporada, o Milan chegará novamente à Final da Champions League que desta vez será na França, em Paris.

Escalação do Milan (4-4-2)
Dida
Pancaro, Simic, Nesta, Kaladze
Brocchi, Pirlo (Seedorf), Dhorasoo (Gattuso), Serginho
Crespo (Kaká), Inzaghi


37a rodada, Sexta Feira 20 Maio 2005, MILAN  3 X 3  PALERMO

Marcadores: Serginho aos 7 pt, Costacurta contra aos 8 pt, Serginho aos 13 pt, Tomasson aos 31 pt, Toni de pênalti aos 31 st e Barone aos 33 st

A partida Milan x Palermo é jogada nesta Sexta Feira porque o Milan pediu e obteve do Palermo a autorização para adiantar o jogo em dois dias para ter mais tempo para se preparar para a Final da Champions League da próxima Quarta Feira 25 de Maio, em Istambul, na Turquia.
A Diretória do Milan nos últimos dias tinha decidido deixar de lado o Campeonato Italiano e concentrar todos os esforços na Champions League. Por isto o treinador rubro-negro Ancelotti faz descansar todos os titulares que serão utilizados contra o Liverpool e utiliza as reservas e também alguns juniores (por exemplo Digão, irmão de Kaká, senta no banco).
O jogo termina empatado em 3 a 3. Para o Milan marcam Serginho duas vezes e Tomasson. Graças a este empate do Milan, a Juventus ganha matematicamente o seu 28o scudetto (Juventus 82 pontos, Milan 78 pontos e com um jogo a mais).

Escalação do Milan (4-4-2)
Abbiati
Marzoratti (Perticone), Simic, Costacurta, Pancaro
Brocchi, Dhorasoo, Rui Costa, Serginho
Tomasson, Crespo (Inzaghi)


36a rodada, Domingo 15 Maio 2005, LECCE  2 X 2  MILAN

Marcadores: Kaladze aos 12 pt, Konan ao 1o st, Shevchenko aos 8 st e Vucinic aos 37 st

O Milan consegue só um empate por 2 a 2 com o Lecce fora de casa e permite que a Juventus aumente sua vantagem na liderança do Campeonato Italiano. Graças à vitória por 2 a 0 sobre o Parma, a Juventus aparece agora cinco pontos à frente do Milan, a apenas duas rodadas do final da competição.
O Milan faz um bom primeiro tempo e aos 12 minutos abre o placar com uma cabeceada de Kaladze. Os milanistas poderiam ter chegado ao intervalo com uma vantagem mais folgada, se não fossem as boas defesas do goleiro Sicignano. No segundo tempo o Lecce empata a partida logo no primeiro minuto com Konan, mas aos 8 minutos o Milan retoma a vantagem com Shevchenko, após ação confusa na área do Lecce. Depois do gol, a partida cai de qualidade. Aos 27 minutos, Konan comete falta violenta em Kaká e recebe direto o cartão vermelho. Mas, mesmo com um jogador a menos, o Lecce segue jogando de igual para igual com o Milan e volta a empatar o jogo aos 37 minutos. Após cruzamento rasteiro da direita, Vucinic entra de carrinho e toca fraco na bola: Dida é pego no contrapé e, desequilibrado, não consegue evitar que a bola entre no gol, para a felicidade dos torcedores da Juventus que no estádio de Turim acompanham, pelo rádio, este jogo.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Kaladze
Gattuso, Rui Costa, Ambrosini (Dhorasoo)
Kaká
Shevchenko (Tomasson), Inzaghi (Serginho)


35a rodada, Domingo 8 Maio 2005, MILAN  0 X 1  JUVENTUS

Marcador: Trezeguet aos 28 pt

A Juventus dá um grande passo para conquistar o título italiano ao ganhar do Milan por 1 a 0 em pleno estádio San Siro, no confronto direto entre os dois únicos aspirantes ao “scudetto”. Com este resultado a Juventus fica três pontos na frente do rival (79 a 76), faltando apenas três rodadas para o término do torneio.
No primeiro tempo a Juventus joga melhor e aos 28 minutos passa em vantagem. Alessandro Del Piero insiste no lado direito da área do Milan e, de bicicleta, inventa uma espetacular assistência para Trezeguet que de cabeça faz gol enganando Dida.
No segundo tempo, com a entrada de Serginho e Inzaghi, o Milan melhora bastante mas os seus jogadores não sabem se desvencilhar da forte marcação da Juventus e quando conseguem chutar a gol, encontram o goleiro Buffon em tarde inspirada.
A seguir um comentário de Kaká após o jogo: “Eles tiveram uma oportunidade e a desfrutaram, nós não. Ambas as equipes jogaram uma bela partida, só que eles concretizaram e nós não”.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Stam, Maldini
Gattuso, Pirlo (Serginho), Seedorf (Rui Costa)
Kaká
Shevchenko, Tomasson (Inzaghi)


34a rodada, Sábado 30 Abril 2005, FIORENTINA  1 X 2  MILAN

Marcadores: Maresca aos 25 pt e Shevchenko ao 1o st e aos 10 st

O Milan sofre muito, mas consegue derrotar a Fiorentina por 2 a 1, de virada. Os destaques da partida são o ucraniano Shevchenko, autor dos dois gols do Milan, e o brasileiro Serginho que faz as duas assistências. Infelizmente a Juventus derrota o Bologna em Turim e os dois times continuam dividindo a liderança do Campeonato Italiano com 76 pontos e no próximo Domingo, 8 de Maio, haverá em San Siro o super-clássico Milan X Juventus que poderá decidir o Campeonato 2004/05.
No mês de Abril o Milan disputou 8 jogos: três pela Champions League e cinco pelo Campeonato Italiano. Esta grande quantidade de partidas, todas importantes, justifica um certo desgaste físico apresentado pelos jogadores do Milan no jogo de hoje.
A Fiorentina abre o placar aos 25 minutos do primeiro tempo com Maresca após cobrança de escanteio. Logo após o intervalo, Serginho cruza, a defesa da Fiorentina não consegue cortar e Shevchenko aparece para empatar. Aos 10 minutos outra vez Serginho e outra vez Shevchenko: cruzamento do brasileiro e desvio vitorioso de Shevchenko de cabeça, depositando à direita do goleiro Cejas.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Stam, Costacurta
Gattuso, Rui Costa (Seedorf), Serginho (Pancaro)
Kaká
Shevchenko, Tomasson (Pirlo)


33a rodada, Sábado 23 Abril 2005, MILAN  3 X 0  PARMA

Marcadores: Kaká aos 34 pt, Tomasson aos 17 st e Cafu aos 25 st

A diferença entre o Milan e o Parma é tão grande que os rubro-negros ganham facilmente com o placar de 3 a 0, e poderiam ter ganhado com uma diferença ainda maior se não tivessem errado muitos gols. Os autores dos gols são Kaká (que assim festeja o seu vigésimo terceiro aniversário do dia anterior), Tomasson e Cafu. Os jogadores do Milan que recebem as notas mais altas do jornalista da Gazzetta dello Sport são Kaká e Rui Costa, ambos nota 7.
Infelizmente também a Juventus derrota a Lazio fora de casa com um gol de Nedved aos 40 minutos do segundo tempo e os dois times continuam assim dividindo a liderança do Campeonato Italiano com 73 pontos.
Quatro jogos decisivos esperam o Milan nas duas próximas semanas: Terça Feira 26 de Abril primeira partida contra os holandeses do PSV Eindhoven para as Semifinais da Champions League, Sábado 30 de Abril jogo em Florença pelo Campeonato Italiano contra a Fiorentina seriamente ameaçada de rebaixamento para a Série B, Quarta Feira 4 de Maio retorno com o PSV para obter a passagem para a Final de Istambul e finalmente Domingo 8 de Maio o grande clássico em San Siro contra a Juventus. Provavelmente este último jogo decidirá o Campeonato Italiano.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Stam (Cafu), Nesta, Maldini, Kaladze
Ambrosini, Seedorf (Brocchi), Rui Costa
Kaká
Shevchenko (Inzaghi), Tomasson


32a rodada, Quarta Feira 20 Abril 2005, MILAN  1 X 0  CHIEVO

Marcador: Seedorf aos 20 st

O jornal “O Estado de S. Paulo” de hoje fazia o seguinte comentário sobre a trigésima segunda rodada do Campeonato Italiano: “O Milan e a Inter são arqui-rivais, mas hoje pelo menos um dos lados esquecerá a inimizade histórica e torcerá pelo outro. O Milan não esconde que festejará eventual vitória da Inter, no clássico com a Juventus em Turim. Por motivo evidente: se a Juventus tropeçar, equilibra de novo a briga pelo título da temporada de 2004/05. O Milan deixou escapar o primeiro lugar ao perder para o Siena por 2 a 1 no fim de semana e viu a Juventus abrir três pontos de vantagem com a goleada de 5 a 2 sobre o Lecce. Essa diferença pode ser anulada agora se a Inter aprontar, no confronto marcado para esta noite em Turim. O Milan torce, mas tem de cumprir seu papel de favorito, ao receber o Chievo em San Siro.
Hoje tudo deu certo para o Milan: a Inter derrotou por 1 a 0 a Juventus em Turim e o Milan derrotou o Chievo em San Siro, também por 1 a 0, com um gol de Seedorf aos 20 minutos do segundo tempo. Agora Milan 70 pontos, Juventus 70 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Nesta, Maldini
Gattuso, Seedorf, Serginho (Kaladze)
Kaká
Shevchenko (Brocchi), Crespo (Tomasson)


31a rodada, Domingo 17 Abril 2005, SIENA  2 X 1  MILAN

Marcadores: Crespo aos 17 st, Chiesa aos 26 st e Cozza aos 41 st

Aos 10 minutos do primeiro tempo, Kaká faz uma das suas arrancadas em direção à área do Siena e passa a bola a Crespo à sua esquerda. O argentino cruza para o lado direito, para Shevchenko, que faz gol. Infelizmente o famoso juiz Collina não convalida porque o bandeirinha Baglioni indica que o ucraniano estava impedido. O tira-teima da “Domenica Sportiva” mostrará que Shevchenko, no momento do passe de Crespo, estava bem atrás da linha da bola e que portanto o gol era legítimo.
Aos 17 minutos do segundo tempo o Milan passa em vantagem com Crespo que toca por entre as pernas do goleiro Manninger (0 a 1). Cinco minutos mais tarde Gattuso quase amplia quando carimba a trave com um forte chute de fora da área. Podia ser o gol do 0 a 2 e jogo praticamente fechado a favor do Milan.
Mas hoje não era o dia do Milan. O Siena iguala o placar aos 26 minutos com Chiesa que acerta o poste à direita de Dida e em seguida recupera o rebote e chuta novamente para o gol. Rui Costa em cima da linha rebate, mas a bola primeiro bate no poste direito, depois no poste esquerdo e no fim entra no gol (1 a 1).
O Milan tenta o gol da vitória, mas é pego de surpresa quando Pasquale cruza da esquerda e encontra Cozza que finaliza de cabeça, sem marcação (2 a 1). Agora o Milan está três pontos atrás da Juventus.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Kaladze
Gattuso (Serginho), Rui Costa (Seedorf), Ambrosini
Kaká
Shevchenko, Crespo


30a rodada, Sábado 9 Abril 2005, MILAN  1 X 1  BRESCIA

Marcadores: Rui Costa aos 14 pt e Wome aos 42 st

O Milan joga contra o Brescia, vice-lanterna do Campeonato Italiano, somente três dias após o estressante primeiro jogo contra a Inter pelas Quartas de Final da Champions League e somente três dias antes do returno durante o qual deverá defender a vantagem de dois gols para passar às Semifinais.
O Milan está bastante desfalcado porque Kaká e Stam estão suspensos, Maldini e Kaladze estão ligeiramente machucados e nem foram convocados, e Crespo senta no banco para poupar energias para o segundo euroderby. Apesar disso o Milan passa em vantagem aos 14 minutos do primeiro tempo com Rui Costa que chuta para o gol da entrada da área do Brescia. A bola descreve uma trajetória a reentrar e surpreende o goleiro Castellazzi entrando na forquilha à sua esquerda.
A este ponto os rubro-negros acham que já ganharam a partida, relaxam e praticamente param de jogar. O Brescia, após muitas tentativas, chega merecidamente ao empate aos 42 minutos do segundo tempo com o camaronês Wome que chuta forte de fora da área. A bola entra no gol, à esquerda de Dida, após passar entre uma selva de pernas.
Por sorte do Milan, também a Juventus empata (3 a 3 em Florença) e os dois times continuam liderando o Campeonato Italiano com 67 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Costacurta, Serginho
Gattuso (Crespo), Pirlo, Seedorf (Pancaro)
Rui Costa
Shevchenko, Tomasson (Ambrosini)


29a rodada, Domingo 20 Março 2005, ROMA  0 X 2  MILAN

Marcadores: Crespo aos 18 st e Pirlo de pênalti aos 25 st

O Milan joga contra a Roma, fora de casa, dois dias após o sorteio realizado na sede da UEFA que definiu que o Milan deverá enfrentar a Inter nas Quartas de Final da Champions League 2004/05. Portanto haverá dois euro-derbies em 6 e 12 de Abril para decidir quem acessará às Semifinais.
A Roma vem de três derrotas seguidas e apresenta o seu novo treinador: o famoso Bruno Conti que fazia parte do time azzurro que ganhou a Copa do Mundo na Espanha em 1982.
Após um primeiro tempo equilibrado, na segunda etapa o Milan é dono absoluto do campo e passa em vantagem aos 18 minutos quando Crespo recebe um cruzamento de Kaladze, pula mais alto do que Panucci e completa de cabeça (0 a 1). Sete minutos mais tarde o mesmo Crespo recebe um outro cruzamento, esta vez de Seedorf, e cabeceia para o gol: Panucci corta a bola com a mão dentro da área e o juiz Paparesta de Bari marca pênalti e lhe mostra o cartão vermelho. Pirlo transforma friamente e define o resultado: 0 a 2.
Para o Milan é a oitava vitória seguida. Milan e Juventus continuam líderes do Campeonato Italiano, agora com 66 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Kaladze (Costacurta)
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká
Crespo (Inzaghi), Tomasson (Ambrosini)


28a rodada, Domingo 13 Março 2005, MILAN  1 X 0  SAMPDORIA

Marcador: Kaká aos 20 st

Neste Domingo o Milan joga em San Siro contra a Sampdoria, time revelação desta temporada que ocupa o terceiro lugar na classificação do Campeonato Italiano. No primeiro tempo a Sampdoria joga muito fechada e tudo parece dar errado para o Milan: Rui Costa acerta o travessão e os dois zagueiros Maldini e Nesta se machucam e são substituídos por Serginho e Costacurta, respectivamente.
Finalmente aos 20 minutos do segundo tempo, em um lampejo de inspiração, o Milan chega ao gol da vitória com Kaká que marca de cabeça, após cruzamento perfeito de Pirlo da intermediária, pela direita.
Em seguida o Milan passa a sentir o cansaço do jogo da última Terça Feira contra o Manchester e a Sampdoria vai mais para o ataque buscando o gol do empate e, quando faltam três minutos para o fim, o zagueiro holandês Stam salva o resultado ao rebater com o corpo um forte chute de Flachi. Stam recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport, a nota mais alta entre os jogadores do Milan. Nesta e Gattuso recebem nota 7. Milan e Juventus continuam líderes do Campeonato Italiano com 63 pontos.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Stam, Nesta (Costacurta), Maldini (Serginho)
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká, Rui Costa (Ambrosini)
Crespo


27a rodada, Sábado 5 Março 2005, ATALANTA  1 X 2  MILAN

Marcadores: Ambrosini aos 26 st, Makinwa aos 28 st e Pirlo aos 49 st

Ancelotti faz descansar vários titulares para poupá-los para o jogo da próxima Terça Feira contra o Manchester, válido para o returno das Oitavas de Final da Champions League 2004/05.
Devido à neve que caiu em quase toda a Itália nos últimos dias, o gramado está em más condições prejudicando bastante o andamento do jogo e afetando especialmente os jogadores do Milan, bem mais técnicos que os adversários.
O Milan, apesar de não jogar bem, passa em vantagem aos 26 minutos do segundo tempo com Ambrosini que, após uma cobrança de falta, sobe mais alto do que a zaga da Atalanta e cabeceia forte mandando para o fundo da rede. Mas nem deu tempo para comemorar: dois minutos depois o habilidoso atacante nigeriano Makinwa empata para o time da casa, também de cabeça.
Quando tudo indicava que a partida terminaria empatada, o Milan marca o seu segundo gol, nos acréscimos, aos 49 minutos. Após cruzamento para a área, o goleiro atalantino Calderoni defende uma cabeceada a queima-roupa de Inzaghi mas o rebote é de Pirlo que chuta forte para assegurar a vitória.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Stam, Nesta, Maldini, Costacurta
Brocchi (Ambrosini), Pirlo, Dhorasoo (Serginho)
Kaká
Crespo (Inzaghi), Tomasson


26a rodada, Domingo 27 Fevereiro 2005, INTER  0 X 1  MILAN

Marcador: Kaká aos 29 st

No derby da cidade de Milão, o Milan derrota a Inter que nesta temporada nunca tinha perdido: nas 25 rodadas disputadas até agora tinha colecionado 9 vitórias e 16 empates. Com esta vitória o Milan continua dividindo a liderança da Série A com a Juventus com 57 pontos.
O gol da vitória é do brasileiro Kaká, no segundo tempo. Durante a semana, o técnico da Inter, Roberto Mancini, tinha afirmado que seria fundamental não dar espaço para Kaká durante o derby. A promessa do treinador é cumprida no primeiro tempo, quando o brasileiro quase não toca bola. Mas em apenas um momento de liberdade, aos 29 minutos do segundo tempo, o camisa 22 do Milan mostra oportunismo para decidir o jogo: depois de uma cobrança de escanteio, Gattuso pega o rebote e bate forte de fora da área. Na trajetória, Kaká dá um leve toque, suficiente para tirar o goleiro Toldo do lance (0 a 1).
Outros jogadores que se destacaram no Milan foram os zagueiros centrais Nesta e Maldini que tiveram uma atuação impecável e receberam notas 7.5 e 7, respectivamente, do jornalista da Gazzetta dello Sport.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze (Serginho)
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Kaká, Rui Costa (Costacurta)
Crespo


25a rodada, Sábado 19 Fevereiro 2005, MILAN  1 X 0  CAGLIARI

Marcador: Serginho aos 47 st

No jogo contra o Cagliari, Ancelotti não faz jogar Nesta, Gattuso, Crespo e Kaká para poupá-los para a difícil partida de Champions League contra o Manchester, fora de casa, na próxima Quarta Feira 23 Fevereiro 2005.
Logo aos 9 minutos do primeiro tempo, Shevchenko sofre um duro colpo no lado esquerdo do rosto após choque aéreo com o defensor cagliaritano Loria e é forçado a sair do campo substituído por Crespo. Levado a um hospital nas vizinhanças de San Siro, lhe foi constatada a fratura da base da órbita e do zigoma. Deverá ser operado para a inserção de duas placas de titânio e ficará afastado dos gramados durante aproximadamente um mês, perdendo assim os dois jogos contra o Manchester, além de várias partidas do Campeonato Italiano.
O Milan ataca o tempo todo mas não consegue passar em vantagem. Aos 31 minutos da etapa complementar, Pancaro é expulso por receber o segundo cartão amarelo e a este ponto parece que o empate sem gols será o resultado final.
Mas aos 47 minutos acontece o inimaginável. Cafu faz um cruzamento da linha de fundo e a bola encontra Serginho que com ótima coordenação bate o goleiro Iezzo. Com esta vitória o Milan alcança a Juventus na liderança do Campeonato Italiano, com 54 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Pancaro
Brocchi (Serginho), Pirlo, Seedorf
Rui Costa
Shevchenko (Crespo), Tomasson (Kaká)


24a rodada, Domingo 13 Fevereiro 2005, REGGINA  0 X 1  MILAN

Marcador: Zamboni gol contra aos 39 pt

Em uma partida morna e com poucos momentos de emoção, o Milan vence a Reggina e impede que a Juventus amplie sua vantagem na liderança do Campeonato Italiano, permanecendo dois pontos atrás dela. Agora Juventus 53 pontos, Milan 51 pontos.
O primeiro tempo tem um leve domínio do Milan que sai na frente aos 39 minutos em uma jogada fortuita: Seedorf faz passe inócuo para a área adversária, o zagueiro Zamboni tenta dar um bico para frente, mas pega muito mal na bola, que acaba indo para traz encobrindo o goleiro reggino Pavarini.
No segundo tempo é a Reggina que tem maior posse de bola, mas a eficiente defesa do Milan impede que o adversário crie qualquer chance de perigo.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Stam), Nesta, Maldini, Kaladze
Gattuso, Ambrosini, Seedorf
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko, Crespo (Serginho)


23a rodada, Domingo 6 Fevereiro 2005, MILAN  2 X 1  LAZIO

Marcadores: Oddo de pênalti aos 11 st, Shevchenko aos 27 st e Crespo aos 49 st

O Milan se aproxima da líder Juventus ao derrotar a Lazio de virada por 2 a 1, em San Siro, em um final de partida emocionante. A Juventus (derrotada no Sábado pelo Palermo) tem agora somente dois pontos de vantagem: Juventus 50 pontos, Milan 48 pontos.
O primeiro tempo do jogo é péssimo, com a Lazio totalmente fechada na defesa e o Milan sem inspiração para superar a retranca dos adversários. No segundo tempo, logo aos 11 minutos, a história muda, a favor da Lazio: o holandês Stam comete pênalti em Rocchi que tinha invadido a área. Oddo bate, Dida ainda toca na bola, mas não consegue impedir a abertura do placar.
A este ponto o técnico Carlo Ancelotti decide mandar em campo Shevchenko, no lugar de Tomasson, uma semana antes do tempo de recuperação previsto após a lesão no pé direito. Ancelotti coloca em campo também Cafu e Serginho nos lugares de Seedorf e Kaladze. As alterações fazem efeito e o time da casa começa a pressionar atrás do gol de empate.
Shevchenko empata aos 27 minutos, acertando uma cobrança de falta no ângulo direito do gol defendido por Peruzzi. O Milan continua pressionado e chega à virada no último dos quatro minutos de acréscimo: Kaká, que fazia atuação muito discreta, encontra espaço para chutar de fora da área e acertar o poste à direita do gol de Peruzzi. No rebote, Crespo é o primeiro a chegar e a tocar para o gol vazio: a bola entra após bater no outro poste, o esquerdo.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Stam, Nesta, Maldini, Kaladze (Serginho)
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Cafu)
Kaká
Tomasson (Shevchenko), Crespo


22a rodada, Quarta Feira 2 Fevereiro 2005, MESSINA  1 X 4  MILAN

Marcadores: Crespo aos 9 pt, Tomasson aos 18 pt, Zampagna aos 30 pt, Crespo aos 19 st e Tomasson aos 47 st

Partida maiúscula do Milan na cidade de Messina, na Ilha da Sicília. Os rubro-negros derrotam o time local com o placar de 4 a 1 e fazem esquecer o apagão ocorrido nos dois últimos jogos (derrotas por 0 a 1 com o Livorno fora de casa e com o Bologna em casa).
Crespo e Tomasson marcam dois gols cada um. Para completar a festa do Milan, a Juventus é derrotada em casa pela Sampdoria e o Milan está agora a cinco pontos da líder do Campeonato Italiano: Juventus 50 pontos, Milan 45.
Kaká, Crespo e Tomasson recebem nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Cafu, Gattuso e Seedorf nota 7.
Aos 9 minutos do primeiro tempo, Seedorf serve Kaká que de calcanhar lança Crespo que não erra o gol do 0 a 1. Nove minutos mais tarde, Crespo abre para Cafu que chuta da linha de fundo campo. A bola é interceptada pelo goleiro Storari que não consegue segurá-la. Tomasson chega primeiro e faz o gol do 0 a 2.
No segundo tempo, aos 19 minutos, perfeita assistência de Kaká para Crespo e terceiro gol do Milan. O último gol é marcado por Tomasson, já nos acréscimos, após receber passe de Seedorf.
Aos 28 minutos do segundo tempo Pirlo tinha errado um pênalti concedido pelo juiz Bertini de Arezzo por falta cometida sobre Kaká.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Stam), Nesta, Maldini, Kaladze
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká (Pancaro)
Tomasson, Crespo (Ambrosini)


21a rodada, Domingo 30 Janeiro 2005, MILAN  0 X 1  BOLOGNA

Marcador: Locatelli aos 27 pt

O Milan começa atacando e aos 15 minutos Dhorasoo chuta forte no ângulo à direita do goleiro Pagliuca fazendo um bonito gol, mas o juiz De Santis de Roma anula porque o francês teria cometido falta (episódio muito duvidoso de acordo com todos os jornalistas esportivos presentes no estádio San Siro).
Aos 27 minutos do primeiro tempo o Bologna passa em vantagem com Locatelli, após uma rápida ação de contra-ataque. O Milan tem mais de sessenta minutos para virar o jogo, ou pelo menos para empatar, mas não consegue apesar das tantas ações criadas, entre elas aquela aos 27 minutos do segundo tempo: Ambrosini cabeceia para o gol mas Zagorakis rebate sobre a linha do gol.
Neste Domingo tudo parece dar errado para o Milan: no fim do primeiro tempo o bolognês Gamberini entra com a perna levantada sobre Shevchenko causando-lhe no pé um trauma com ferida lacero-contusa. O ucraniano é substituído com Tomasson e deverá ficar afastado dos gramados por aproximadamente 15 dias.
O jogo termina com a derrota do Milan por 0 a 1. É a segunda derrota seguida do Milan e a Juventus está agora 8 pontos na frente.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Serginho
Gattuso (Ambrosini), Pirlo, Dhorasoo
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko (Tomasson), Crespo


20a rodada, Domingo 23 Janeiro 2005, LIVORNO  1 X 0  MILAN

Marcador: Colombo aos 28 pt

O Milan inicia jogando melhor na cidade de Livorno contra o time local e aos 20 minutos tem uma grande chance de passar em vantagem quando Kaká recebe a bola de Dhorasoo, se livra de quatro adversários e chuta do limite da área acertando o poste à esquerda do goleiro Amelia. Aos poucos, porém, o time da casa equilibra a partida chegando à abertura do placar aos 28 minutos: após falta cobrada de longa distância por um jogador livornês, Vidigal cabeceia, Dida faz boa defesa, mas a bola sobra para Colombo marcar.
O Milan ataca durante todos os 60 minutos que ainda faltam para acabar o jogo na tentativa de empatar, mas é o Livorno que, em ações de contra-ataque, chega mais perto do segundo gol, obrigando Dida a fazer grandes defesas. O jogo termina mesmo com o placar de 1 a 0.
Dida é o único jogador do Milan a receber nota positiva do jornalista da Gazzetta dello Sport. Todos os seus companheiros recebem notas negativas. Nota-se que nos dois jogos com o Livorno nesta temporada o Milan ganhou somente um ponto dos 6 a disposição. A distância da Juventus (vitoriosa com o Brescia) sobe para 5 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Stam, Maldini
Gattuso (Seedorf), Ambrosini (Rui Costa), Dhorasoo
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


19a rodada, Domingo 16 Janeiro 2005, MILAN  3 X 1  UDINESE

Marcadores: Di Natale aos 9 pt, Shevchenko aos 30pt, Jankulovski gol contra aos 7 st, Kaká aos 45 st

O Milan vence de virada a Udinese, por 3 a 1, neste domingo no estádio San Siro e encosta na líder Juventus que empata com o Cagliari, fora de casa, na Ilha da Sardenha. Agora Juventus 44 e Milan 42.
O Milan leva um susto aos 9 minutos do primeiro tempo quando Di Natale surpreende Dida com um chute bem colocado no ângulo alto direito e abre o placar (0 a 1).
Os rubro-negros, no entanto, mostram o que é ser um clube grande. Ignoram completamente o gol e dominam o jogo todo, chegando ao empate com Shevchenko aos 30 minutos, após passe perfeito de Kaká (1 a 1).
Aos 7 minutos do segundo tempo o Milan conta com a sorte para marcar seu segundo gol. Seedorf cruza para a área adversária e, mesmo sem nenhum jogador milanista por perto, Jankulovski cabeceia para as próprias redes (2 a 1). Este gol-contra pode gerar muita fofoca porque o jogador tcheco está quase contratado pelo Milan para a próxima temporada!
O jogo continua equilibrado, mas o Milan se mostra mais eficiente. Aos 45 minutos, Kaká recebe a bola de Tomasson perto da entrada da área, passa por dois zagueiros, invade a área sozinho e com categoria coloca a bola no canto direito do gol, fechando o placar (3 a 1).

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Costacurta), Nesta, Stam, Maldini
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


18a rodada, Domingo 9 Janeiro 2005, PALERMO  0 X 0  MILAN

O Milan empata sem gols com o Palermo fora de casa, na Sicília, e vê a Juventus se distanciar. Agora o Milan tem 39 pontos, quatro a menos que a equipe de Turim, que goléia o Livorno por 4 a 2.
Mesmo atuando fora de casa, diante de 34 mil torcedores, o Milan é melhor durante toda a partida, dominando a posse de bola e pressionando em busca do gol. A equipe da casa, bem fechada atrás, tenta, sem sucesso, explorar os contra-ataques. Na única boa chance do Palermo, aos 33 minutos do primeiro tempo, Morrone bate firme; a bola ia entrar em baixo do travessão, mas Dida faz grande defesa e salva o Milan. Dida recebe nota 7 do jornalista da Gazzetta dello Sport, a nota mais alta entre todos os jogadores do Milan.
No segundo tempo é o goleiro palermitano Guardalbem que se sobressai fazendo duas defesas milagrosas. Ele desvia para escanteio uma falta cobrada por Shevchenko e um chute de Kaká. Também Guardalbem recebe nota 7, uma das notas mais altas entre os jogadores do Palermo.
"Jogamos bem, trabalhamos duro, mas estávamos diante de um time determinado que jogou muito bem também", lamentou o técnico Carlo Ancelotti.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Costacurta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Seedorf), Pirlo, Dhorasoo (Ambrosini)
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


17a rodada, Quinta Feira 6 Janeiro 2005, MILAN  5 X 2  LECCE

Marcadores: Crespo aos 23 e aos 36 pt, Shevchenko aos 6 st, Crespo aos 12 st, Bojinov aos 29 st, Cassetti aos 38 st e Tomasson aos 44 st

Antes de a partida começar Shevchenko recebe oficialmente a Bola de Ouro 2004 do representante da revista francesa France Football. O ucraniano faz uma volta do campo com o troféu e é homenageado pelos torcedores rubro-negros presentes no estádio San Siro. Em seguida o jogo inicia com um minuto de silêncio em memória das vítimas do maremoto que assolou a Ásia no último dia 26 de Dezembro.
O Milan ganha com folgas do Lecce com o placar de 5 a 2 e agora está a dois pontos da líder Juventus que empata com o Parma fora de casa.
O Milan abre o placar logo aos 23 minutos do primeiro tempo. Dida repõe a bola no campo de ataque, a zaga falha e Kaká fica livre pela direita. O meia cruza rasteiro, a bola viaja pela área e encontra Crespo que completa de pé direito para colocar o time da casa em vantagem (1 a 0).
O Milan domina e amplia aos 36 minutos. Em contragolpe rápido, Kaká recebe livre e cruza. Crespo domina dentro da área e tem categoria para se livrar do goleiro e de dois defensores antes de rolar para o gol vazio (2 a 0).
O domínio do Milan segue na segunda etapa. Logo aos 6 minutos, Pirlo cobra falta da esquerda na cabeça de Shevchenko, que sobe livre. A bola ainda toca na trave esquerda antes de entrar no gol do Lecce (3 a 0).
Seis minutos depois, Crespo marca seu terceiro gol. Dhorasoo lança Shevchenko que avança em velocidade e cruza para o argentino que balança as redes mais uma vez (4 a 0).
Aos 29 minutos, o Milan perde o zagueiro Nesta que derruba Bojinov na entrada da área e recebe o cartão vermelho. Na cobrança da falta, Bojinov bate forte no canto direito e não dá chance para Dida fazer a defesa (4 a 1).
Aos 38 minutos, o Lecce chega ao seu segundo gol. Após bate-rebate, Bojinov domina dentro da área e bate cruzado. Dida não consegue fazer a defesa e Cassetti empurra para as redes (4 a 2).
No final da partida, o Milan acaba com qualquer chance de recuperação do Lecce. Shevchenko é lançado com liberdade pela esquerda e cruza para Tomasson completar a goleada milanista (5 a 2).
Shevchenko e Dhorasoo são julgados os melhores jogadores do Milan pelo jornalista da Gazzetta dello Sport e recebem nota 8. Kaká e Crespo recebem nota 7.5 e Pirlo nota 7.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Brocchi), Pirlo, Dhorasoo
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


16a rodada, Sábado 18 Dezembro 2004, JUVENTUS  0 X 0  MILAN

O Milan tenta ganhar o jogo mas a Juventus consegue empatar, mantendo assim 4 pontos de vantagem na classificação. O Milan é melhor, irresistível, veloz e muito bem organizado. Por contra a Juventus é pouco brilhante, cansada, obrigada a se defender e incapaz de ir para frente. No Milan notam-se a agressividade de Kaká, as boas projeções de Seedorf e o ativismo de Shevchenko.
Infelizmente os rubro-negros, cúmplice um pouco de imprecisão e um pouco de azar, não conseguem achar a jogada vencedora. A seguir as melhores oportunidades de gol.
Aos 4 minutos do primeiro tempo Shevchenko recebe a bola de Kaká e cruza para Crespo que, na pequena área, é derrubado por Zebina, mas o juiz Bertini de Arezzo não concede o pênalti.
Aos 17 minutos do primeiro tempo Shevchenko acerta o poste à direita do goleiro Buffon.
Aos 44 minutos do segundo tempo, irresistível ação de Shevchenko na área adversária. O ucraniano serve a bola a Pirlo cujo chute passa alguns centímetros ao lado do poste esquerdo do gol de Buffon.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Costacurta, Kaladze (Pancaro)
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká
Shevchenko, Crespo


15a rodada, Domingo 12 Dezembro 2004, MILAN  6 X 0  FIORENTINA

Marcadores: Seedorf aos 16 pt, Crespo aos 22 pt, Shevchenko aos 7 st, Crespo aos 16 st, Shevchenko aos 28 st e Seedorf aos 37 st

Um Milan muito superior derrota a Fiorentina com o placar tenístico de 6 a 0, com “doppiettas” de Crespo, Seedorf e Shevchenko. Este último amanhã receberá em Paris a Bola de Ouro 2004.
Apesar desta vitória superlativa o Milan continua 4 pontos atrás da líder Juventus e no próximo Sábado 18 Dezembro 2004 a Juventus e o Milan se encontrarão no estádio Delle Alpi de Turim. A seguir a descrição dos 6 gols:
- 16 pt: Cafu, no lado direito do ataque milanista, cruza para Crespo que é derrubado pelo zagueiro Delli Carri e o juiz Rodomonti concede o pênalti. Pirlo cobra e o goleiro Lupatelli defende. Seedorf chega primeiro, pega o rebote e de cabeça faz 1 a 0.
- 22 pt: Kaká lança Crespo na área da Fiorentina. O argentino dá um toquinho para cima do goleiro antes de ser derrubado. A bola acaba entrando no gol apesar de uma tentativa desesperada de Chiellini e Viali de evitar o 2 a 0.
- 7 st: Kaká parte da metade do campo, triangula com Shevchenko, chega na linha de fundo e, apesar de atropelado e atrapalhado pelo companheiro Seedorf, consegue cruzar para o centro da área onde Shevchenko faz o gol do 3 a 0.
- 16 st: milimétrica assistência em profundidade de Pirlo para Crespo que chuta do limite da área fazendo um golaço (4 a 0).
- 28 st: gol de Shevchenko após triangulação com Crespo.
- 37 st: Dhorasoo faz um lance em profundidade para Ambrosini que poderia chutar e fazer gol mas, em um gesto de altruísmo, prefere passar para Seedorf que faz o gol do 6 a 0.
Os jogadores do Milan recebem notas altas do jornalista da Gazzetta dello Sport: Crespo nota 8, Shevchenko e Seedorf nota 7.5, Kaladze, Pirlo e Kaká nota 7.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze
Gattuso, Pirlo (Ambrosini), Seedorf
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko, Crespo (Dhorasoo)


14a rodada, Sábado 4 Dezembro 2004, PARMA  1 X 2  MILAN

Marcadores: Gilardino aos 22 st, Kaká aos 36 st e Pirlo aos 44 st

Em baixo de uma forte chuva o primeiro tempo é um monólogo do Milan que chega perto do gol aos 13 minutos quando o ucraniano Shevchenko, candidato ao prêmio da Bola de Ouro, acerta um poderoso chute no poste à esquerda do goleiro parmense Frey.
No segundo tempo é a mesma música: o Milan continua dominando. Mas aos 22 minutos o Parma, que até então tinha criado muito pouco, marca o seu gol na primeira oportunidade que tem, quando o australiano Mark Bresciano cobra falta e Gilardino cabeceia livre, vencendo o goleiro brasileiro Dida, que estava mal colocado (1 a 0).
Na tentativa de voltar para Milão com pelo menos um ponto, Ancelotti faz entrar Dhorasoo e Serginho no lugar de Gattuso e Seedorf e é justamente um dos reservas, Serginho, que se torna figura decisiva no jogo.
Aos 36 minutos o brasileiro cobra escanteio e o atacante dinamarquês Tomasson ajeita a bola para o chute de Kaká que empata a partida (1 a 1). Com apenas um minuto para o fim da partida, a defesa do Parma falha em interceptar um cruzamento de Serginho da esquerda e Pirlo acerta um belo chute da entrada da área virando o placar (1 a 2).
Tomasson ainda acerta o poste nos acréscimos, quase marcando o terceiro gol para o Milan. A distância da líder Juventus na classificação do Campeonato Italiano continua em 4 pontos (Juventus 35, Milan 31).

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Dhorasoo), Pirlo, Seedorf (Serginho)
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


13a rodada, Domingo 28 Novembro 2004, CHIEVO  0 X 1  MILAN

Marcador: Crespo aos 5 st

Com Inzaghi, Shevchenko e Tomasson ainda na enfermaria, Ancelotti é obrigado a utilizar novamente o esquema “arvore de Natal” com Crespo única ponta e o argentino mostra que está atravessando um ótimo período de forma. De fato no último Sábado 20 de Novembro tinha marcado um gol na vitória do Milan sobre o Palermo pela Copa da Itália. Na última Quarta Feira 24 de Novembro tinha marcado dois gols na goleada por 4 a 0 sobre o Shakhtar pela Champions League. Finalmente hoje marca o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Chievo, na cidade de Verona, pelo Campeonato Italiano. Isto acontece aos 5 minutos do segundo tempo quando Kaká tenta um passe para um companheiro; a bola bate no jogador adversário Brighi e nasce assim uma assistência perfeita para Crespo que, sozinho na frente do goleiro Marchegiani, faz o gol que vale três pontos.
Dado que a Juventus empata com a Inter em Milão, a distância na classificação cai para 4 pontos: Juventus 32, Milan 28.
Grande parte do mérito desta vitória vai também ao goleiro Dida pelas muitas defesas, especialmente aquela cinematográfica aos 13 minutos do segundo tempo quando consegue levantar sobre a trave uma falta cobrada por Baronio e desviada por Seedorf que estava na barreira. Dida recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport e esta é a nota mais alta entre todos os jogadores dos dois times.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze
Dhorasoo, Ambrosini, Seedorf (Gattuso)
Kaká, Rui Costa (Pirlo)
Crespo


12a rodada, Domingo 14 Novembro 2004, MILAN  2 X 1  SIENA

Marcadores: Shevchenko aos 26 pt, Argilli aos 31 pt e Shevchenko aos 37 pt

Shevchenko se recupera do problema muscular da última semana e é escalado para esta partida contra o Siena em San Siro. O ucraniano realiza dois gols dando força ao comentário de que o Milan é Shevchenko-dependente.
Aos 26 minutos do primeiro tempo, Kaká vê Shevchenko sozinho no meio da área do Siena, lhe faz uma assistência precisa e o ucraniano faz gol de pé direito.
Aos 37 minutos do primeiro tempo Seedorf cobra escanteio e a bola, após desvio de cabeça de Maldini, chega a Shevchenko que chuta. A bola bate no zagueiro Ardilli e entra no gol.
O temporário empate do Siena tinha acontecido aos 31 minutos, marcado por Ardilli de cabeça após falta cobrada por Chiesa.
Com estes 2 gols o craque ucraniano completa a significativa marca de 100 gols no Campeonato Italiano, façanha que poucos jogadores conseguiram. Shevchenko, que completou 28 anos no último dia 29 de Setembro, fez seu primeiro gol em sua estréia na Série A (empate de 2 a 2 contra o Lecce no dia 29 de Agosto de 1999). Ele foi o artilheiro do Campeonato nas temporadas 1999/2000 e 2003/04, em ambas com 24 gols. Marcou novamente 24 gols na temporada 2000/01, 14 gols em 2001/02 e 5 em 2002/03. Com os 9 gols deste ano ele alcança a marca de 100 gols.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Rui Costa)
Kaká (Ambrosini)
Shevchenko, Tomasson (Crespo)


11a rodada, Quarta Feira 10 Novembro 2004, BRESCIA  0 X 0  MILAN

O Milan está atravessando um período de pouca sorte porque:
a) nos últimos dias o zagueiro Stam e o atacante Inzaghi foram submetidos a cirurgias no tornozelo esquerdo e deverão ficar afastados durante 3 ou 4 meses.
b) no último jogo contra a Roma Shevchenko, que era o jogador mais em forma, apresentou problemas musculares e não foi escalado para o jogo de hoje contra o Brescia.
c) toda a partida de hoje contra o Brescia é jogada em baixo de uma forte chuva que diminui as diferenças técnicas entre os dois times.
Devido a todos os problemas acima, o Milan não vai além de um empate sem gols e a distância da líder Juventus (vitoriosa sobre a Fiorentina) sobe para 6 pontos.
Sem Shevchenko, o treinador Ancelotti utiliza o esquema 4-3-2-1 (também conhecido como esquema “árvore de Natal”) com Kaká e Rui Costa atrás de Crespo, única ponta. Infelizmente no gramado encharcado pela chuva do estádio Rigamonti, os rubro-negros não conseguem expugnar o bunker do Brescia confirmando a hipótese que o Milan é Shevchenko-dependente.
O Brescia domina durante o primeiro quarto de hora e aos 12 minutos Caracciolo foge a Nesta e, sozinho na frente de Dida, chuta forte mas o goleiro brasileiro faz uma defesa milagrosa desviando a bola sobre o poste à sua direita.
Durante todo o resto da partida o Milan manda no jogo mas encontra pela sua frente o goleiro bresciano Castellazzi que salva o resultado em pelo menos 5 ocasiões (chutes de Rui Costa, Seedorf, Seedorf de novo, Tomasson e Cafu). Castellazzi é julgado o melhor jogador em campo pelo jornalista da Gazzetta dello Sport, sendo o único jogador em campo a receber nota 7.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze
Brocchi (Dhorasoo), Pirlo, Seedorf
Kaká (Serginho), Rui Costa (Tomasson)
Crespo


10a rodada, Domingo 7 Novembro 2004, MILAN  1 X 1  ROMA

Marcadores: Shevchenko aos 6 pt e Montella aos 3 st

Devido à derrota da Juventus em Reggio Calabria no dia anterior, o Milan entra em campo contra a Roma com a obrigação de ganhar e reduzir para somente dois pontos a distância da líder do Campeonato Italiano.
O Milan parece não decepcionar as expectativas e logo aos 6 minutos Cafu, após uma das suas arrancadas pelo lado direito do campo, faz um cruzamento perfeito para o centro da área romanista onde Shevchenko de cabeça põe no gol, à direita do goleiro Pelizzoli. O Milan tem muitas outras ocasiões para fazer mais gols, mas erra todas as conclusões e o primeiro tempo termina com o placar de 1 a 0 que não reflete a grande quantidade de jogo mostrada pelo Milan.
No intervalo Shevchenko é substituído por Crespo por causa de problemas musculares e logo aos 3 minutos do segundo tempo o romanista Montella se aproveita de uma falha da defesa milanista e empata o jogo. O Milan acusa o colpo, o seu jogo diminui de qualidade enquanto que o da Roma melhora e a partida termina mesmo empatada em 1 a 1. Agora o Milan encontra-se na segunda colocação, 4 pontos atrás da líder Juventus.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro (Costacurta)
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Rui Costa)
Kaká
Tomasson, Shevchenko (Crespo)


9a rodada, Sábado 30 Outubro 2004, SAMPDORIA  0 X 1  MILAN

Marcador: Shevchenko aos 31 st

Apesar da partida no estádio Marassi de Genova ser equilibrada, o placar final de 0 a 1 é justo porque o Milan procura com mais insistência a vitória sobre a Sampdoria, time compacto, mas também muito prudente e tímido. Ancelotti leva no banco Cafu, Kaladze, Pirlo e Shevchenko para descansá-los para o jogo contra o Barcelona, fora de casa, na próxima Terça Feira, pela quarta rodada da Champions League.
Aos 20 minutos da etapa complementar, Ancelotti toma uma decisão que resultará fundamental para o resultado final: ele substitui Tomasson e Seedorf com Shevchenko e Serginho e apenas onze minutos mais tarde, Serginho entra na área sampdoriana após triangulação com Crespo e chuta para o gol. O goleiro Antonioli rebate mas a bola chega nos pés de Shevchenko que chuta fazendo um gol que valerá três pontos. Shevchenko festeja assim o nascimento, no dia anterior, do filho Jordan.
O Milan continua na secunda colocação da classificação, 5 pontos atrás da líder Juventus que continua ganhando os seus jogos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Costacurta, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Pirlo), Ambrosini, Seedorf (Serginho)
Kaká
Tomasson (Shevchenko), Crespo


8a rodada, Quarta Feira 27 Outubro 2004, MILAN  3 X 0  ATALANTA

Marcadores: Tomasson aos 8 pt, Kaladze aos 27 st e Serginho aos 43 st

O treinador Carlo Ancelotti faz descansar Nesta, Gattuso e Seedorf cansados pelas muitas partidas jogadas em poucos dias. Também Stam e Inzaghi não jogam por não estar em perfeitas condições físicas. O jovem argentino Coloccini, campeão olímpico, faz a sua estréia com a camisa do Milan, jogando no meio da defesa ao lado de capitão Maldini.
A Atalanta resiste aos ataques do Milan somente durante o primeiro tempo. No segundo os rubro-negros dominam apesar de jogar com muitas reservas. Aos 8 minutos Pirlo serve a bola em profundidade para Tomasson que se livra de um adversário e chuta no gol à esquerda do goleiro Taibi (1 a 0). O segundo gol é de Kaladze que recebe uma perfeita assistência de Shevchenko. O terceiro e último gol é marcado por Serginho que acabara de substituir Kaká: ele recebe a bola de Brocchi, arranca pelo lado esquerdo, dribla o goleiro e chuta no gol vazio.
O Milan continua no segundo lugar da classificação do Campeonato Italiano, 5 pontos atrás da líder Juventus.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Costacurta), Coloccini, Maldini, Kaladze
Brocchi, Pirlo, Rui Costa
Kaká (Serginho)
Shevchenko, Tomasson (Ambrosini)


7a rodada, Domingo 24 Outubro 2004, MILAN  0 X 0  INTER

O derby milanês oferece momentos de ótimo espetáculo apesar de terminar empatado sem gols. Os dois times jogam abertos e oferecem várias emoções aos espectadores que lotam o estádio San Siro. Quem se aproveita deste empate é a Juventus que agora conduz o Campeonato Italiano com 19 pontos, 5 a mais do que o Milan e 8 do que a Inter.
Os milanistas jogam bem durante todos os 90 minutos e chegam perto do gol mais do que uma vez, mas devido a falta de sorte e também de lucidez, não concretizam os esforços ofensivos. Também os interistas têm claras oportunidades de gol com Vieri e Adriano.
O brasileiro Kaká se mostra em grande forma e por bem quatro vezes os defensores interistas são obrigados a parar as suas arrancadas com faltas por trás: Cordoba, Favalli, Cambiasso e Materazzi recebem do juiz Rosetti de Turim o cartão amarelo por interromper as projeções ofensivas do número 22 milanista de maneira faltosa.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


6a rodada, Domingo 17 Outubro 2004, CAGLIARI  0 X 1  MILAN

Marcador: Pirlo aos 20 pt

O Milan derrota o Cagliari fora de casa, na Ilha da Sardenha, com o placar de 1 a 0 e ganha três pontos muito importantes para a classificação. O gol é de Pirlo aos 20 minutos do primeiro tempo. O playmaker rubro-negro dribla três adversários e chuta de uma distância de 20 metros: a bola entra à esquerda do goleiro Katergiannakis.
Pirlo e Brocchi são julgados os melhores jogadores do Milan pelo jornalista da Gazzetta dello Sport (ambos recebem nota 7).

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Costacurta, Nesta, Maldini, Kaladze
Brocchi, Pirlo, Seedorf
Rui Costa (Gattuso)
Shevchenko (Inzaghi), Tomasson (Kaká)


5a rodada, Domingo 3 Outubro 2004, MILAN  3 X 1  REGGINA

Marcadores: Shevchenko aos 10 pt, Franceschini aos 14 st, Kaká aos 20 st e Shevchenko aos 44 st.

O Milan derrota a Reggina em San Siro com o placar de 3 a 1 mas continua apresentando crônicos problemas defensivos especialmente na cobrança das faltas. Neste jogo este problema acontece duas vezes:
a) aos 14 minutos do segundo tempo Nakamura cobra falta do lado esquerdo do ataque reggino e Franceschini de cabeça surpreende todos os jogadores do Milan e faz gol (é o gol do empate da Reggina: 1 a 1).
b) aos 43 minutos do segundo tempo Mozart cobra falta do lado direito e o ex-milanista Borriello faz gol de cabeça. Por sorte do Milan o juiz Trefoloni não convalida porque já tinha parado o jogo, talvez por uma falta de Dionigi sobre Nesta. Este gol anulado gera muitas discussões. Teria sido o gol do novo empate da Reggina.
Felizmente, estas falhas defensivas do Milan são compensadas pelos gols de Shevchenko e pelo brilho de Kaká que está voltando à forma da última temporada:
1) aos 10 minutos do primeiro tempo Kaká arranca pelo lado direito do ataque milanista e cruza para o centro da área adversária onde Shevchenko controla com o pé esquerdo, se libera de dois adversários e chuta com o pé direito fazendo o gol do 1 a 0.
2) aos 20 minutos do segundo tempo Pirlo faz um lance em profundidade para Shevchenko que salta o goleiro Pavarini e oferece a bola a Kaká que faz o gol do 2 a 1.
3) Shevchenko faz também o terceiro gol chutando de uma distância de mais de 25 metros (3 a 1).
Shevchenko e Kaká recebem as notas mais altas do jornalista da Gazzetta dello Sport (8 e 7 respectivamente) e muito provavelmente serão candidatos à Bola de Ouro de 2004.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze
Gattuso, Pirlo (Brocchi), Rui Costa (Seedorf)
Kaká
Shevchenko, Inzaghi (Tomasson)


4a rodada, Domingo 26 Setembro 2004, LAZIO  1 X 2  MILAN

Marcadores: Fernando Couto aos 37 pt, Shevchenko aos 25 e aos 29 st.

Parecia ser um outro dia negativo para o Milan que vinha da surpreendente derrota em casa para o Messina. De fato:
a) aos 37 minutos do primeiro tempo Fernando Couto, deixado desmarcado pela defesa do Milan, recebe um preciso cruzamento de Antonio Filippini e completa de cabeça fazendo o gol do 1 a 0.
b) aos 8 minutos do segundo tempo, Ambrosini é expulso por causa de uma cotovelada em Emanuele Filippini.
Portanto tudo parecia perdido para o Milan: em 10 contra 11 e perdendo de 1 a 0. Felizmente para os torcedores do Milan Shevchenko estava em um dia inspirado! O ucraniano no espaço de quatro minutos vira o resultado! Aos 25 minutos, após escanteio cobrado por Pirlo, ele mostra grande agilidade girando a bola para o gol e vencendo o goleiro Peruzzi (1 a 1). Aos 29 minutos Shevchenko recebe um passe em profundidade de Kaká, dribla dois jogadores da Lazio e completa para o gol (1 a 2).
Nos minutos faltantes a Lazio pressiona em busca do empate e quase consegue em um cabeceio de Simone Inzaghi que bate na trave.
Shevchenko recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Os outros jogadores do Milan que recebem as notas mais altas são Nesta (nota 7) e Kaká (nota 6.5). Agora o Milan está na quarta posição da classificação do Campeonato Italiano, três pontos atrás da líder Juventus.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze (Pancaro)
Gattuso (Pirlo), Ambrosini, Seedorf
Kaká
Shevchenko, Crespo (Tomasson)


3a rodada, Quarta Feira 22 Setembro 2004, MILAN  1 X 2  MESSINA

Marcadores: Pancaro aos 9 st, Giampà aos 10 st e Zampagna aos 15 st.

O Milan joga mal e perde para o recém promovido Messina por 1 a 2, mesmo jogando em casa. A derrota é humilhante, mas merecida.
O Milan consegue passar em vantagem aos 9 minutos do segundo tempo quando Pancaro, após escanteio cobrado por Kaká, cabeceia para o gol e a bola entra à esquerda do goleiro Storaci. A este ponto o Milan crê ter encontrado o caminho para uma goleada mas em trinta segundos, na primeira ação, o Messina empata com Giampá que surpreende toda a defesa rubro-negra. O empate dos sicilianos abala psicologicamente o Milan que se desanima e não tem forças para reagir. O Messina, ao contrário, joga de maneira lúcida e cínica e vira o resultado aos 15 minutos com Zampagna.
Ancelotti faz entrar Serginho, Rui Costa e Tomasson nos lugares de Gattuso, Pirlo e Inzaghi mas o resultado não muda.
Nos próximos jogos o treinador rubro-negro deverá corrigir alguma coisa na defesa onde os grandes Maldini e Nesta parecem em crise: nos dois jogos disputados a San Siro já tomaram 4 gols!.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Serginho), Pirlo (Rui Costa), Seedorf
Kaká
Shevchenko, Inzaghi (Tomasson)


2a rodada, Domingo 19 Setembro 2004, BOLOGNA  0 X 2  MILAN

Marcadores: Shevchenko de pênalti aos 39 st e Kaká aos 46 st.

Milan em grande forma e muito superior ao Bologna. Durante tudo o jogo a área do Bologna parece Bagdá em baixo do bombardeio do Milan:
- aos 12 minutos do pt Cafu chuta forte mas acerta o travessão.
- aos 37 minutos do pt o goleiro Pagliuca faz defesa milagrosa sobre chute de Kaká.
- aos 38 minutos do pt outra defesa milagrosa de Pagliuca sobre cabeceada de Shevchenko.
- aos 10 minutos do st Pagliuca desvia em escanteio, com o corpo, um chute de Shevchenko.
- aos 22 minutos do st Inzaghi, que acabara de substituir Tomasson, chuta para o gol mas Pagliuca consegue desviar sobre o poste.
Apesar do domínio rubro-negro a vitória surge apenas nos minutos finais do encontro quando Kaká sofre falta de Colucci em plena área bolognês e o juiz Messina de Bergamo concede um pênalti a favor do Milan. Dado que o rigorista Pirlo tinha sido substituído por Serginho 5 minutos antes, Shevchenko se encarrega de cobrar a penalidade e realiza o gol da tão merecida vantagem rubro-negra (0 a 1). Já nos acréscimos, Kaká fecha o placar (0 a 2) chutando no gol um cruzamento de Inzaghi.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Abbiati
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze (Pancaro)
Gattuso, Pirlo (Serginho), Seedorf
Kaká
Shevchenko, Tomasson (Inzaghi)


1a rodada, Sábado 11 Setembro 2004, MILAN  2 X 2  LIVORNO

Marcadores: Seedorf aos 3 pt, Lucarelli de pênalti aos 9 pt, Seedorf aos 2 st e Lucarelli aos 22 st.

O Milan, atual campeão italiano, tinha tudo para estrear com o pé direito nesta edição 2004/05 da competição, jogando em sua casa, no estádio San Siro, contra o Livorno, clube recém-promovido à Primeira Divisão. O começo do jogo é animador para a torcida milanista porque logo aos 3 minutos Seedorf faz boa jogada individual, passa por dois adversários e toca a bola por cima do goleiro livornês Amelia fazendo o gol do 1 a 0.
A alegria, no entanto, dura pouco. Aos 8 minutos, Dida faz pênalti em Vigiani, que entrava em velocidade. O goleiro brasileiro é expulso no lance, em uma decisão do juiz Pieri de Genova considerada excessiva pela maioria dos jornalistas esportivos. O treinador Ancelotti faz entrar no jogo o goleiro reserva Abbiati, no lugar do atacante Tomasson. Na cobrança da penalidade Lucarelli deixa tudo igual: 1 a 1 e o Milan será obrigado a jogar quase toda a partida em inferioridade numérica.
Mas o Livorno, apesar de jogar em 11 contra 10, continua atuando fechado. É o Milan que ataca. Depois do intervalo, o inspirado Seedorf marca de novo, desta vez aproveitando um passe de Kaká. Milan 2 X 1 Livorno.
Mas o dia não é mesmo do Milan. Aos 22 minutos Lucarelli empata cobrando falta, enganando a barreira rubro-negra mal colocada e distraída: 2 a 2. A este ponto o Milan começa a sentir o cansaço por ter jogado quase toda a partida em 10. Está sem criatividade e não é mais capaz de chegar à vitória.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Stam, Maldini, Pancaro (Serginho)
Ambrosini, Rui Costa (Gattuso), Seedorf
Kaká
Shevchenko, Tomasson (Abbiati)


para o Banco de Dados Voltar para o Banco de Dados

logotipo do Milan
Valid XHTML 1.0!   Valid CSS!