milan milan milan milan-brasil milan milan milan
para o Banco de Dados Voltar para o Banco de Dados

JOGOS DO MILAN NA TEMPORADA 2003-2004

34a rodada, Domingo 16 Maio 2004, MILAN  4 X 2  BRESCIA

Na última rodada do Campeonato Italiano 2003/04 o Milan joga em San Siro contra o Brescia e o jogo é uma grande festa para celebrar o décimo sétimo scudetto conquistado com duas semanas de antecedência. Esta partida marca também a despedida do futebol do grande jogador Roberto Baggio.
O Milan derrota o Brescia com o placar de 4 a 2 e na classificação alcança a marca recorde de 82 pontos (7 pontos além do recorde anterior de 75 pontos estabelecido pela Roma em 2001). Os gols do Milan são marcados por Tomasson (dois), Shevchenko e Rui Costa. O ucraniano é também o artilheiro do Campeonato Italiano com 24 gols, um a mais que o parmense Gilardino.
Mais uma vez o melhor jogador em campo do Milan é o brasileiro Kaká que recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Ele é o autor das duas fantásticas jogadas que originam os gols de Tomasson:
a) aos 36 minutos do primeiro tempo ele sai como uma enguia do bloqueio de dois adversários, corre como um trem em direção à área do Brescia e faz uma ótima assistência para Tomasson fazer o gol do 1 a 0.
b) aos 14 minutos do segundo tempo ele dribla uma nuvem de adversários na área do Brescia e chuta para o gol. O goleiro Castellazzi consegue rebater com os pés. A bola rebatida chega a Tomasson que de cabeça faz o gol do 3 a 1.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Abbiati
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta
Gattuso (Brocchi), Pirlo (Redondo), Seedorf
Kaká
Shevchenko, Tomasson (Rui Costa)


33a rodada, Domingo 9 Maio 2004, REGGINA  2 X 1  MILAN

O Milan joga na Calabria, na cidade de Reggio Calabria, contra a Reggina e o técnico Ancelotti faz descansar muitos jogadores, cansados após as celebrações pela conquista do décimo sétimo scudetto. A Reggina ganha o jogo com o placar de 2 a 1 e garante assim a sua permanência na máxima divisão do futebol italiano.
Os gols regginos são ambos marcados no primeiro tempo, por Di Michele aos 8 minutos e por Cozza de pênalti aos 30 minutos. O gol do Milan é marcado por Shevchenko aos 6 minutos do segundo tempo. Este é o seu 23o gol que lhe garante a liderança da artilharia do Campeonato Italiano.

Escalação do Milan (4-4-2)
Abbiati
Simic, Nesta, Maldini (Costacurta), Kaladze
Ambrosini, Redondo, Brocchi (Seedorf), Serginho
Shevchenko, Tomasson (Borriello)


32a rodada, Domingo 2 Maio 2004, MILAN  1 X 0  ROMA

O Milan derrota a Roma por 1 a 0 na tarde deste Domingo e conquista o seu décimo sétimo título italiano com duas rodadas de antecipação. O time rubro-negro chega aos 79 pontos e não pode mais ser alcançado pela Roma que soma 70 pontos.
Logo no início do jogo, aos 2 minutos, o Milan faz o gol do título. Kaká tabela com Cafu pela direita e cruza para Shevchenko que, sozinho na área romanista, cabeceia e marca o seu 22o gol nesta temporada do Campeonato Italiano: Milan 1 X 0 Roma.
No segundo tempo há algumas cenas desagradáveis quando, após cobrança de falta de Totti, a bola toca o braço de Shevchenko, que faz parte da barreira, e o árbitro Messina não marca pênalti. Os torcedores da Roma passam a jogar rojões e fogos de artifício no campo e o jogo é interrompido duas vezes. Primeiro Gattuso fica atordoado quando um rojão explode perto dele. Depois o goleiro Dida precisa de auxílio médico ao ser atingido duas vezes por objetos jogados pela torcida. Para compensar todo o tempo perdido são necessários 7 minutos de acréscimo no fim do jogo.
O 17o scudetto coroa uma temporada impressionante de todos os jogadores milanistas e em especial modo do brasileiro Kaká. Em seu primeiro ano no duríssimo futebol italiano, ele encanta os torcedores e a imprensa e é considerado o melhor jogador da competição, o homem que faz do Milan um time muito mais agressivo do que era na temporada anterior. O premio ao seu desempenho vem aos 42 minutos do segundo tempo quando o técnico Carlo Ancelotti o substitui com o português Rui Costa. Agradecida, a torcida do Milan o aplaude de pé durante 2 minutos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Kaladze)
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko, Tomasson (Ambrosini)


31a rodada, Domingo 25 Abril 2004, UDINESE  0 X 0  MILAN

O Milan não consegue derrotar a Udinese fora de casa e volta para Milão com um empate sem gols, perdendo assim dois pontos em relação à Roma que derrota o Empoli. Apesar disso, o time de Carlo Ancelotti se mantém firmemente na liderança do Campeonato Italiano com 6 pontos de vantagem sobre o time de Fabio Capello (Milan 76 Roma 70) e no próximo Domingo será disputado, em San Siro, o decisivo jogo Milan X Roma. Se o Milan derrotar a Roma, ganhará o seu décimo sétimo "scudetto" com duas rodadas de antecedência.
A Udinese, que nesta temporada é o único time a ter derrotado o Milan, confirma as próprias qualidades e a capacidade de por em dificuldade os adversários com um jogo concreto. O time de Spalletti fecha os espaços aos rubro-negros e tira o fôlego à manobra milanista com um pressing contínuo e inexaurível.
Poucas emoções no primeiro tempo, alguma coisa a mais no segundo com o Milan que cresce mas que não consegue encontrar o gol da vitória.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta
Gattuso (Brocchi), Pirlo, Ambrosini
Seedorf (Tomasson), Kaká (Rui Costa)
Shevchenko


30a rodada, Sábado 17 Abril 2004, SIENA  1 X 2  MILAN

O Milan faz um bom primeiro tempo, com um Rui Costa lúcido, um Cafu irresistível, um Nesta suntuoso, um Ambrosini determinado e um Costacurta em grande forma. Os rubro-negros passam em vantagem aos 26 minutos: Rui Costa recebe a bola de Cafu e chuta forte para o gol. O goleiro senês Fortin defende mas não segura. A bola chega nos pés de Shevchenko que marca o gol do 0 a 1.
Mas o Siena reage e empata aos 37 minutos: Pirlo derruba Chiesa e recebe cartão amarelo. O mesmo Chiesa cobra a falta e Shevchenko, na barreira, rebate a bola com o cotovelo levantado. O juiz Collina concede o pênalti que Chiesa transforma (1 a 1).
O Milan se reapresenta no segundo tempo com o claro objetivo da vitória, cria muitas ações de gol e aos 34 minutos encontra a merecida vantagem: Pirlo cobra escanteio, Borriello cabeceia e Kaká intervém na trajetória da bola e de peixinho faz o gol do 1 a 2. O Milan não corre nenhum perigo até o fim do jogo e volta para Milão com três pontos importantes.
Agora, quando faltam 4 rodadas para terminar o Campeonato Italiano: Milan 75 pontos, Roma 67 pontos.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta
Gattuso (Brocchi), Pirlo, Ambrosini
Rui Costa (Borriello), Kaká (Serginho)
Shevchenko


29a rodada, Sábado 10 Abril 2004, MILAN  1 X 0  EMPOLI

O Milan joga em casa contra o Empoli, apenas três dias após a derrota por 4 a 0 com o Deportivo La Corunha e ainda sob choque pela humilhante eliminação da Champions League.
Os primeiros 45 minutos transcorrem com o Milan que ataca de maneira intermitente, com pouca lucidez e errando fáceis ocasiões de gol. No segundo tempo os homens de Ancelotti continuam atacando e aos 21 minutos Ambrosini acerta o poste à esquerda do goleiro empolês Balli.
Quando parecia que a partida terminaria com o terceiro empate seguido para o Milan (após o 2 a 2 com o Chievo e o 1 a 1 com o Modena) o juiz Paparesta concede um pênalti a favor do Milan por falta do goleiro Balli sobre Tomasson. Balli é também expulso por ter sido uma falta de último homem. Os jogadores do Empoli reclamam muito dizendo que a falta era inexistente mas o juiz é irremovível de sua posição. Pirlo transforma friamente o pênalti e o Milan ganha assim três pontos muito preciosos.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta (Serginho)
Gattuso (Ambrosini), Pirlo, Seedorf
Rui Costa (Tomasson), Kaká
Shevchenko


28a rodada, Domingo 4 Abril 2004, MODENA  1 X 1  MILAN

O Milan joga contra o Modena fora de casa e obtém o segundo empate seguido no Campeonato Italiano. Os rubro-negros passam em vantagem aos 42 minutos do primeiro tempo quando o holandês Seedorf chuta forte de longe e o goleiro modenês Zancopé não segura a bola: chega Tomasson que sem nenhuma dificuldade faz o gol do 0 a 1. Este é o décimo gol do atacante dinamarquês nesta temporada. Tomasson tinha sido escalado no lugar de Shevchenko que se machucou na boca no jogo Macedônia-Ucrânia da última Quarta Feira.
Mas o Modena surpreende o Milan no início do segundo tempo e empata com Amoruso que recebe a bola do companheiro Kamará, autor de uma longa fuga na faixa direita.
O Milan reage mas os seus ataques são estéreis e as conclusões a gol são imprecisas, especialmente as de Inzaghi. A partida, apesar de ser dominada pelo Milan, termina empatada em 1 a 1.
Agora, quando faltam 6 rodadas para terminar a temporada a classificação é a seguinte: Milan 69 pontos, Roma (com um jogo a menos) 60 pontos, Juventus 59 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Simic (Serginho), Nesta, Maldini, Pancaro
Ambrosini (Gattuso), Pirlo, Seedorf
Rui Costa (Kaká)
Tomasson, Inzaghi


27a rodada, Domingo 28 Março 2004, MILAN  2 X 2  CHIEVO

O Milan não joga bem contra o Chievo em San Siro. Os jogadores parecem cansados e pouco brilhantes, mas isto é justificável após ter disputado muitas partidas entre Campeonato e Champions League. O Chievo toma proveito desta situação e vai a gol duas vezes no primeiro tempo: aos 22 minutos com Sculli (esta ação de gol inicia com o brasileiro Luciano que rouba a bola a Gattuso no meio-de-campo) e aos 39 minutos com Perrotta (após driblar Maldini).
Mas o Milan no segundo tempo mostra a própria força de caráter e aos 35 minutos Pirlo faz o gol do 1 a 2 com um potentíssimo chute de uma distância de 30 metros. No último minuto dos acréscimos (aos 52 do segundo tempo!) o Milan empata com Shevchenko que cabeceia para o gol um cruzamento de Rui Costa.
Por sorte do Milan a Roma é derrotada em casa pelo Bologna e agora a classificação é a seguinte: Milan 68 pontos, Juventus 59 pontos e Roma (com um jogo a menos) 57 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Costacurta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Ambrosini), Pirlo, Seedorf (Rui Costa)
Kaká
Tomasson (Shevchenko), Inzaghi


26a rodada, Sábado 20 Março 2004, MILAN  3 X 1  PARMA

Dois jogadores são os principais artífices da vitória por 3 a 1 do Milan sobre o Parma: Tomasson e Kaká. Tomasson é escolhido pelo treinador Ancelotti no lugar de Inzaghi e o dinamarquês responde à altura fazendo dois gols (aos 33 minutos do primeiro tempo - assistência de Pancaro, e aos 7 minutos do segundo tempo - assistência de Kaká). É de Tomasson também a assistência, aos 20 minutos do segundo tempo, para Shevchenko fazer o terceiro gol do Milan.
Kaká não marca gols, mas outra vez é decisivo com suas arrancadas, além de toques e passes perfeitos. O segundo gol do Milan mostra que Kaká faz a diferença. Ele arranca do meio-de-campo em alta velocidade, sem que os rivais consigam pará-lo. Dentro da área, toca a bola entre as pernas de um zagueiro, deixando Tomasson livre para empurrá-la às redes. É mais abraçado pelos companheiros que o autor do gol.
O gol de honra do Parma é marcado por Gilardino quase no fim do jogo. Como era de se esperar Tomasson e Kaká recebem nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Maldini, Pancaro, Gattuso e Shevchenko recebem nota 7.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Costacurta, Maldini (Laursen), Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká (Rui Costa)
Tomasson, Shevchenko (Serginho)


25a rodada, Domingo 14 Março 2004, JUVENTUS  1 X 3  MILAN

O Milan não toma conhecimento do fator campo e passa por cima da Juventus, em Turim, vencendo por 3 a 1 e aumentando ainda mais a sua vantagem no Campeonato Italiano: sete pontos à frente da Roma que não passa de um empate sem gols em Reggio Calabria contra a Reggina. A Juventus continua em terceiro lugar: agora nove pontos atrás do Milan.
O herói do Milan é o holandês Seedorf que marca dois gols e fornece a assistência para o terceiro. Ele recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport; Cafu, Maldini e Shevchenko recebem nota 7. A descrição dos gols é a seguinte:
- aos 25 minutos do primeiro tempo, Seedorf faz um cruzamento preciso e eficaz para Shevchenko que completa de cabeça (0 a 1). O mesmo Seedorf define o jogo no segundo tempo com 2 gols:
- aos 18 minutos, ele bate de uma distância de 35 metros, a bola desvia no juventino Ferrara e engana o goleiro Buffon entrando no canto à sua esquerda (0 a 2).
- aos 30 minutos Seedorf recebe passe de Cafu e fuzila de pé esquerdo (0 a 3).
- a Juventus faz o gol de honra aos 36 minutos com Ferrara (1 a 3).
Neste jogo Kaká não faz gol, mas merece um grande elogio de Pelé em entrevista à Gazzetta dello Sport. Pelé compara Kaká ao holandês Cruyff. “Kaká está fazendo a diferença com sua velocidade. Vi poucos com a força que ele tem em sua idade e ele melhorou muito desde que começou a jogar na Itália. Aprendeu a marcar, coisa que não fazia no Brasil. Parece com Cruyff. É um rapaz sério, com base familiar e religiosa muito boa e sabe o valor do trabalho.”

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta (Costacurta), Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Rui Costa)
Kaká
Inzaghi (Ambrosini), Shevchenko


24a rodada, Domingo 7 Março 2004, MILAN  3 X 1  SAMPDORIA

O Milan apresenta um extraordinário nível atlético e derrota a Sampdoria em San Siro com o placar de 3 a 1. É a partida da volta ao gol de Inzaghi, da classe de Kaká e do gênio de Pirlo capaz de unir a qualidade de meia-ponta à quantidade de encontrista.
Após 24 rodadas o Milan já totaliza o mesmo número de pontos (61) que totalizou em toda a última temporada. O único problema é que também a Roma e a Juventus continuam ganhando os seus jogos. Agora Milan 61, Roma 56 e Juventus 55. Pirlo recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport, Inzaghi nota 7.5 e Dida, Cafu, Maldini e Kaká nota 7.
Aos 16 minutos do primeiro tempo Pirlo chuta de uma distância de 25 metros, a bola bate na parte interna do poste à esquerda do goleiro Antonioli e entra no gol (1 a 0).
Aos 27 minutos o sampdoriano Doni empata após uma ação de contra-ataque (1 a 1).
Mas a formação de Ancelotti não se decompõe após o empate e volta a atacar. Aos 35 minutos Pancaro foge pela faixa esquerda e cruza perfeitamente para Inzaghi fazer gol de cabeça (2 a 1).
Aos 3 minutos do segundo tempo Pirlo faz uma assistência para Kaká que se encontra na área da Sampdoria. O brasileiro dribla um adversário e chuta à esquerda do goleiro fechando o placar em 3 a 1.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Kaká
Tomasson (Rui Costa), Inzaghi (Shevchenko)


23a rodada, Domingo 29 Fevereiro 2004, LAZIO  0 X 1  MILAN

A partida entre a Lazio e o Milan, no estádio Olímpico de Roma, é substancialmente equilibrada. O time de Mancini faz um maior volume de jogo e coleciona uma grande quantidade de estéreis escanteios (15 no total). Do outro lado, a formação de Ancelotti tem o mérito de esperar cinicamente o momento propício para passar em vantagem, o que acontece aos 30 minutos do segundo tempo quando Seedorf, no lado direito do ataque milanista, faz um cruzamento milimétrico para Ambrosini cabecear para o gol após um vôo acrobático. A bola entra à esquerda do goleiro Peruzzi (0 a 1).
Seedorf recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport (esta é a nota mais alta de hoje entre todos os jogadores do Milan). Maldini recebe nota 7. O Milan continua líder do Campeonato Italiano com 58 pontos; Roma 53 e Juventus 52.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Costacurta, Maldini, Kaladze
Ambrosini, Pirlo, Seedorf
Rui Costa (Gattuso)
Tomasson (Inzaghi), Shevchenko (Pancaro)


22a rodada, Sábado 21 Fevereiro 2004, MILAN  3 X 2  INTER

O primeiro tempo do derby de Milão é todo da Inter que faz dois gols, ambos em ação de escanteio:
- aos 15 minutos Stankovic cobra escanteio. A bola atravessa toda a área do Milan, passa entre muito jogadores sem ser tocada e entra no gol à esquerda do goleiro Dida, após enganar todos os jogadores milanistas (0 a 1).
- aos 40 minutos o mesmo Stankovic cobra novamente escanteio, Dida rebate, a bola chega a Cristiano Zanetti que chuta de fora da área. A bola é desviada por Kaladze e engana Dida entrando à sua esquerda (0 a 2).
No intervalo Ancelotti substitui Rui Costa com Tomasson e o Milan passa a jogar com duas pontas. O segundo tempo é todo do Milan que faz três gols, vira o resultado e continua líder do Campeonato Italiano com 5 pontos na frente da Roma e 6 pontos na frente da Juventus:
-aos 11 minutos Seedorf chuta de fora da área, o goleiro Toldo não segura a bola e rebate nos pés de Tomasson que de uma distância de poucos metros faz gol (1 a 2).
- um minuto mais tarde, aos 12 minutos, Kaká parte da metade do campo, avança e chuta antes de chegar na área da Inter. A bola entra no gol, no canto à esquerda de Toldo. O jogo está empatado (2 a 2).
- aos 39 minutos, quando tudo mundo achava que o derby acabaria empatado, Seedorf tenta o chute da esquerda do ataque milanista, ainda bem longe da área da Inter. Por uma mágica balística, a bola, chutada com muita potência, entra no canto esquerdo do gol defendido por Toldo (3 a 2).

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu (Pancaro), Nesta (Laursen), Costacurta, Kaladze
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká, Rui Costa (Tomasson)
Shevchenko


21a rodada, Domingo 15 Fevereiro 2004, LECCE  1 X 1  MILAN

Após 7 vitórias seguidas que lhe permitiram assumir a liderança do Campeonato Italiano com 5 pontos de vantagem sobre a Roma, o Milan não vai além do empate em 1 a 1 com o Lecce fora de casa e deve-se dizer que o resultado é justo.
O Lecce joga melhor no primeiro tempo mostrando grande agressividade, verticalizações improvisas e uma dupla no ataque (Chevanton/Bojinov) com muita velocidade e talento. É o uruguaio Chevanton que põe o Lecce em vantagem, aos 19 minutos do primeiro tempo cobrando, de maneira perfeita, uma falta de uma distância de 18 metros.
No segundo tempo o Lecce mostra cansaço devido à grande quantidade de energias gastas nos primeiros 45 minutos e o Milan passa a jogar melhor. O gol de empate chega aos 8 minutos e é marcado por Shevchenko com um forte chute de fora da área. O Milan tem também a possibilidade de virar o placar aos 45 minutos quando Nesta cabeceia para o gol, mas o leccês Bolano rebate em cima da linha.
Quase no fim do jogo capitão Maldini faz uma falta considerada grave pelo juiz Pieri de Genova e recebe cartão amarelo. Por soma de cartões amarelos recebidos, Maldini será suspenso por uma rodada e não poderá participar ao derby no próximo Sábado 21 Fevereiro 2004.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Kaladze
Gattuso (Brocchi), Pirlo, Seedorf
Kaká (Serginho), Rui Costa (Tomasson)
Shevchenko


20a rodada, Domingo 8 Fevereiro 2004, MILAN  2 X 1  PERUGIA

O Milan joga em San Siro contra o Perugia que nos 19 jogos disputados até agora tem obtido somente 11 pontos (11 empates e 8 derrotas). É normal que o Perugia, jogando fora de casa contra o primeiro da classe, tente obter o seu décimo segundo empate e até a metade do segundo tempo o placar está ainda bloqueado no 0 a 0.
A este ponto o treinador Carlo Ancelotti substitui Seedorf e Tomasson com Rui Costa e Inzaghi e estas substituições se mostram decisivas. De fato aos 29 minutos Rui Costa, cobrando à perfeição uma falta de uma distância de 20 metros, acerta o canto alto à direita do goleiro perugino Kalac fazendo o gol do 1 a 0. Aos 33 minutos Inzaghi é derrubado em área pelo goleiro adversário e o juiz Trefoloni concede um pênalti que Pirlo transforma (2 a 0).
Mas a partida que já parecia fechada se reabre aos 38 minutos quando Pancaro derruba Fusani em área e o juiz o expulsa e concede um pênalti a favor do Perugia. Fresi cobra e transforma (2 a 1). O Milan é obrigado a jogar os últimos 10 minutos em 10 contra 11 mas não corre sérios perigos e consegue assim a sua sétima vitória seguida.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Rui Costa)
Kaká (Serginho)
Shevchenko, Tomasson (Inzaghi)


19a rodada, Domingo 1o Fevereiro 2004, BOLOGNA  0 X 2  MILAN

O Milan derrota o Bologna fora de casa com o placar de 2 a 0 e agora lidera o Campeonato Italiano com 48 pontos, cinco a mais do que a Juventus e a Roma. O Bologna mostra-se agressivo e combativo mas nada pode contra um Milan concreto, cínico e pragmático.
O primeiro gol do Milan acontece aos 19 minutos do primeiro tempo quando Pirlo faz um perfeito passe em profundidade para Shevchenko que cabeceia à esquerda do goleiro Pagliuca marcando assim o seu décimo sexto gol nesta temporada.
Aos 38 minutos do primeiro tempo Kaká há nos pés a ocasião mais clara para ampliar a vantagem: recebe de Rui Costa uma assistência do lado esquerdo do ataque milanista e chuta de uma distância de poucos passos, ma Pagliuca consegue fazer uma defesa milagrosa, no puro reflexo da sua longa experiência.
Aos 16 minutos do segundo tempo Kaká foge em ação de contra-ataque, chuta de pé direito, mas a bola passa a alguns centímetros do poste esquerdo.
Nota-se que Kaká continua jogando muito bem no Milan tanto que um jornalista da Gazzetta dello Sport, em um artigo da última semana, comentou que o jovem brasileiro tem a finta de Rivera, a verticalização de Cruijff, a agilidade de Van Basten, a finalização de Platini, a aceleração de Ronaldo e a visão de jogo de Boban.
O segundo gol do Milan chega aos 44 minutos do segundo tempo e é marcado por Tomasson que encobre o goleiro Pagliuca.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Redondo)
Rui Costa (Serginho), Kaká
Shevchenko (Tomasson)


Recuperação da 13a rodada, Quarta Feira 28 Janeiro 2004, MILAN  2 X 1  SIENA

Nesta Quarta Feira o Milan e o Siena recuperam em San Siro uma partida válida pela décima terceira rodada. Esta partida havia sido adiada em 14 Dezembro 2003 para permitir ao Milan de disputar a Copa Intercontinental no Japão.
Com a contribuição decisiva dos brasileiros Kaká e Dida, o Milan derrota os toscanos com o placar de 2 a 1 e assume a liderança isolada do Campeonato Italiano: Milan 45, Roma 43 e Juventus 40.
O primeiro gol do Milan chega aos 38 minutos do primeiro tempo depois de passe de Shevchenko para Kaká. O ex-astro do São Paulo recebe na entrada da área, se livra de um zagueiro com um leve toque e bate na saída do goleiro Rossi para fazer o seu sétimo gol no Campeonato Italiano (1 a 0).
A resposta do Siena vem quase em seguida quando o norueguês Flo é derrubado em área por Maldini e o juiz concede o pênalti. O brasileiro Fernando Menegazzo cobra fraco e rasteiro no canto esquerdo: defesa fácil para o goleiro Dida.
No segundo tempo o Milan amplia aos 9 minutos do segundo tempo com o dinamarquês Tomasson aproveitando um rebote do goleiro após forte chute de Brocchi de fora da área (2 a 0). O gol de honra do Siena é marcado por Flo aos 42 minutos (2 a 1).
Kaká é julgado mais uma vez melhor jogador do Milan e recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Dida, Tomasson e Brocchi recebem nota 7.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Costacurta (Laursen), Maldini, Pancaro
Brocchi, Redondo, Seedorf (Gattuso)
Kaká
Shevchenko (Serginho), Tomasson


18a rodada, Domingo 25 Janeiro 2004, MILAN  5 X 0  ANCONA

O Milan joga em San Siro contra o Ancona, lanterna do Campeonato Italiano, que em 17 rodadas tem totalizado apenas 5 pontos (5 empates e 12 derrotas). Após um primeiro tempo apático, o Milan acorda no segundo e faz 5 gols:
1) aos 19 minutos o zagueiro anconetano Maltagliati desvia a bola com a mão. O juiz Palanca de Roma concede o pênalti, Shevchenko cobra e transforma (1 a 0).
2) aos 26 minutos Rui Costa, após triangulação com Shevchenko, chuta à esquerda do goleiro Marcon e faz o gol do 2 a 0. É o primeiro gol do português, com a camisa do Milan, no Campeonato Italiano em três temporadas. Rui Costa é muito festejado pelos companheiros e por todos os presentes no estádio.
3) aos 33 minutos Tomasson, que acabara de substituir Shevchenko, é derrubado em área. Ele mesmo cobra e transforma a penalidade máxima concedida pelo juiz (3 a 0).
4) aos 39 minutos Kaká recebe a bola de Tomasson, chuta e faz 4 a 0.
5) aos 45 minutos, Rui Costa faz um cruzamento em profundidade para Kaká fazer o quinto e último gol (5 a 0).
A classificação do Campeonato Italiano é a seguinte: Roma 43 pontos, Milan (com um jogo a menos) 42 pontos e Juventus 40 pontos.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Serginho)
Rui Costa, Kaká
Shevchenko (Tomasson)


17a rodada, Domingo 18 Janeiro 2004, BRESCIA  0 X 1  MILAN

Jogo difícil para o Milan fora de casa contra o Brescia. De fato somente aos 36 minutos do segundo tempo os rubro-negros conseguem o gol da vitória quando Pirlo cobra um escanteio e o defensor Pancaro cabeceia à esquerda do goleiro Agliardi fazendo um precioso gol que vale três pontos.
O Milan tinha corrido dois sérios perigos alguns minutos antes: a) Del Nero, servido otimamente por Caracciolo, não tinha posto suficiente potência no chute e Dida tinha conseguido desviar para escanteio. b) Na cobrança do escanteio Mauri tinha chutado para fora desperdiçando uma ótima ocasião de gol.
Após o gol do Milan o Brescia é obrigado a jogar mais aberto para tentar o gol do empate passando assim a correr mais riscos. De fato Kaká chega perto do segundo gol: ele chuta encobrindo o goleiro bresciano, mas a bola bate no travessão.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Serginho), Pirlo, Ambrosini
Rui Costa (Tomasson), Kaká
Shevchenko (Brocchi)


16a rodada, Domingo 11 Janeiro 2004, MILAN  3 X 1  REGGINA

Com Inzaghi e Tomasson ainda machucados, o treinador Ancelotti joga pela segunda vez seguida com uma só ponta: Shevchenko. Na zaga esquerda é utilizado o brasileiro Serginho que evidencia, quando pressionado, os seus limites de último defensor.
A Reggina, aproveitando os espaços deixados abertos por Serginho na faixa esquerda, inicia o jogo com a velocidade de um foguete e cria quatro claras ações de gol nos dois primeiros minutos: 1) De Michele perde uma ótima chance de gol mandando para cima do travessão; 2) Cafu quase faz gol-contra mas Dida consegue desviar para escanteio; 3) na ação seguinte à cobrança do escanteio, a bola bate no travessão, volta no campo e Torrisi a chuta no gol (0 a 1); 4) Mesto por pouco não faz o gol do 0 a 2.
Tudo isto acontece nos primeiro 120 segundos e a Reggina já está ganhando o jogo! Mas o Milan sabe reagir porque hoje é o “Kaká-day”, o dia do Kaká, como comentado pelo jornalista da Gazzetta dello Sport.
Aos 8 minutos do primeiro tempo, o ex-são paulino avança, dribla três adversários desnorteando-os e na entrada da área chuta à direita do goleiro Belardi empatando o jogo (1 a 1).
Aos 10 minutos do segundo tempo, Gattuso faz um cruzamento na área da Reggina, Sottil rebate com força, a bola encontra o corpo de Kaká e entra no gol (2 a 1). Kaká, além de jogar bem, tem também sorte!
Aos 25 minutos Kaká é derrubado em área e o juiz concede um pênalti a favor do Milan. Pirlo, apesar de ter errado os últimos dois pênaltis com o Boca Juniors (14 Dezembro 03) e com a Udinese (21 Dezembro 03) se responsabiliza para a cobrança desta penalidade máxima e realiza o gol do 3 a 1.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu, Costacurta, Maldini, Serginho
Gattuso (Redondo), Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Rui Costa, Kaká (Brocchi)
Shevchenko


15a rodada, Terça Feira 6 Janeiro 2004, ROMA  1 X 2  MILAN

O Milan joga fora de casa contra a líder Roma e faz uma das melhores partidas da era Ancelotti ganhando com o placar de 2 a 1, com dois gols do ucraniano Shevchenko que recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Notas altas também para Seedorf (nota 7.5) e para Rui Costa, Gattuso e Costacurta (notas 7).
O primeiro gol do Milan acontece aos 25 minutos do primeiro tempo quando o holandês Seedorf corta a zaga romanista com um cruzamento, da esquerda para a direita, para Shevchenko que mata a bola com o peito e chuta encobrindo o goleiro Pelizzoli. Shevchenko faz o segundo gol do Milan aos 18 minutos do segundo tempo após assistência do português Rui Costa.
O temporário empate da Roma tinha sido marcado por Cassano aos 49 minutos do primeiro tempo em ação de escanteio. Os jogadores do Milan reclamaram bastante contra a validação deste gol por dois motivos: primeiro porque os três minutos de acréscimo concedidos pelo juiz Paparesta foram considerados excessivos e segundo porque o escanteio foi cobrado quando os três minutos já se tinham esgotados.
Agora, na classificação do Campeonato Italiano, Roma 36 pontos, Milan (com um jogo a menos) e Juventus 33 pontos.

Escalação do Milan (4-3-2-1)
Dida
Cafu (Simic), Costacurta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Redondo)
Rui Costa (Brocchi), Kaká
Shevchenko


14a rodada, Domingo 21 Dezembro 2003, MILAN  1 X 2  UDINESE

O Milan, ainda sob choque pela derrota de Yokohama, perde o primeiro jogo no Campeonato Italiano, contra a Udinese em San Siro, com o placar de 1 a 2.
Logo no segundo minuto de jogo Serginho perde a bola no meio de campo e a Udinese parte em contra-ataque. A bola chega a Fava que, deixado sozinho por Laursen, chuta no canto esquerdo de Dida fazendo o gol do 0 a 1.
A grande oportunidade para o Milan empatar chega aos 19 minutos do primeiro tempo quando Inzaghi é derrubado em área pelo goleiro De Sanctis e o juiz Bertini concede um pênalti. Pirlo bate, mas erra acertando o poste à direita do goleiro. Andrea Pirlo, o infalível cobrador de pênaltis do Milan, já tinha perdido um pênalti contra o Boca Juniors há uma semana e hoje erra novamente!
Após o intervalo, o treinador Ancelotti faz entrar Costacurta no lugar de Laursen que durante tudo o primeiro tempo não tinha feito outra coisa que fazer retro-passagens ao goleiro Dida, obrigando-o a trabalhar mais com os pés do que com as mãos.
Aos 6 minutos, quando o Milan parece perto do empate, Bertotto bate uma falta e Sensini, de cabeça, muda ligeiramente a trajetória da bola, enganando Dida e fazendo o gol do 0 a 2.
Aos 25 minutos Cafu faz o gol do 1 a 2, mas este gol não serve muito porque alguns minutos mais tarde Kaladze faz falta de reação e é expulso obrigando o Milan a jogar os últimos minutos em 10 contra 11. A Udinese consegue assim segurar a vitória até o fim.
Laursen e Kaladze são considerados os piores jogadores do Milan e ambos recebem nota 4 do jornalista da Gazzetta dello Sport.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Laursen (Costacurta), Maldini, Kaladze
Gattuso, Pirlo (Ambrosini), Serginho (Borriello)
Kaká
Inzaghi, Tomasson


12a rodada, Sábado 6 Dezembro 2003, EMPOLI  0 X 1  MILAN

O Milan, legitimamente distraído pela final de Yokohama do próximo domingo 14 de Dezembro, não está em uma tarde brilhante no jogo fora de casa contra o Empoli, vice-lanterna da competição. Os rubro-negros não conseguem furar o bloqueio do adversário e correm também um grande risco aos 38 minutos do primeiro tempo quando o empolês Di Natale chuta forte e o goleiro Dida deixa escapar a bola um pouco além da linha do gol. Por sorte do Milan o juiz Racalbuto não convalida o gol por impedimento ativo de Rocchi que atrapalhava a vista do mesmo Dida.
Aos 29 minutos do segundo tempo o treinador Ancelotti substitui Pirlo com Kaká e 7 minutos mais tarde o brasileiro sai da intermediária, olha e arrisca um chute de uma distância de 30 metros: a bola entra no canto alto direito do goleiro Bucci que não se mexe. Nos poucos minutos que ainda faltam para acabar o jogo, os zagueiros centrais Maldini e Nesta param as tentativas de empate do Empoli.
Apesar de ter jogado somente um quarto de hora, Kaká recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Maldini recebe nota 7.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Costacurta, Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso (Brocchi), Pirlo (Kaká), Seedorf
Rui Costa (Ambrosini)
Shevchenko, Tomasson


11a rodada, Domingo 30 Novembro 2003, MILAN  2 X 0  MODENA

O Milan derrota o Modena em San Siro com o placar de 2 a 0 com dois gols do ucraniano Shevchenko: o primeiro aos 24 minutos do primeiro tempo após assistência de Pirlo e o segundo aos 22 minutos do segundo tempo após assistência de Rui Costa. Trata-se da quinta "doppietta" de Shevchenko nesta temporada o que lhe garante a liderança da artilharia com 12 gols em 11 rodadas. (Shevchenko recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Ambrosini e Maldini recebem nota 7).
A vitória do Milan tem muito valor porque o Modena joga bem e chega a por em dificuldade os rubro-negros, especialmente aos 38 minutos do primeiro tempo quando o modenês Amoroso chuta para o gol do Milan, Dida é batido mas Ambrosini salva milagrosamente sobre a linha do gol.
Uma vez que a Inter (treinada agora por Zaccheroni) derrota a Juventus em Turim com o placar de 1 a 3, o Milan assume a liderança do Campeonato Italiano junto com a Roma (Milan e Roma 27, Juventus 26).

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Simic), Nesta, Maldini, Pancaro
Pirlo, Ambrosini, Seedorf(Gattuso)
Rui Costa (Kaká)
Shevchenko, Inzaghi


10a rodada, Domingo 23 Novembro 2003, CHIEVO  0 X 2  MILAN

No jogo em Verona contra o Chievo o treinador Ancelotti não utiliza Cafu, Seedorf, Kaká e Inzaghi para poupá-los para o difícil jogo de Champions League da próxima Quarta Feira 26 Novembro 2003 em Amsterdã contra o Ajax.
Apesar de desfalcado, o Milan ganha facilmente com o placar de 2 a 0 e na classificação do Campeonato Italiano continua a dois pontos da líder Juventus. Ambos os gols são marcados pelo ucraniano Shevchenko: aos 45 minutos do primeiro tempo, de cabeça, após milimétrico cruzamento de Gattuso, e aos 5 minutos do segundo tempo após perfeita assistência de Rui Costa.
Shevchenko é o artilheiro do Campeonato Italiano com 10 gols. Ele recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport (Pirlo e Gattuso recebem nota 7).

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Costacurta, Nesta, Laursen, Pancaro
Gattuso, Pirlo (Redondo), Ambrosini
Rui Costa
Shevchenko (Seedorf), Tomasson (Borriello)


9a rodada, Domingo 9 Novembro 2003, PARMA  0 X 0  MILAN

Após um primeiro tempo equilibrado, o Milan domina todo o segundo tempo, do início até o fim, mas não consegue passar em vantagem, especialmente porque o estreante goleiro do Parma, Vincenzo Sicignano, faz ótimas defesas (milagrosas as sobre chutes de Seedorf e Shevchenko).
Agora o Milan está em segundo lugar na classificação do Campeonato Italiano, 2 pontos atrás da líder Juventus.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Costacurta, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká (Rui Costa)
Shevchenko, Tomasson (Inzaghi)


8a rodada, Sábado 1o Novembro 2003, MILAN  1 X 1  JUVENTUS

Após um primeiro tempo sem história, o Milan e a Juventus voltam para o segundo tempo mais agressivos. Aos 9 minutos Rui Costa lança em profundidade Shevchenko que dribla o goleiro Buffon e faz gol mas o juiz Racalbuto não convalida por impedimento, após sinalização do bandeirinha (o tira-teima mostrará que o ucraniano não estava impedido). Dois minutos mais tarde é a Juventus que se faz perigosa quando Di Vaio acerta o poste à esquerda de Dida.
O Milan passa em vantagem aos 20 minutos com o dinamarquês Tomasson em ação de escanteio, após falha da zaga juventina. A Juventus não quer sair derrotada de San Siro e passa a comprimir o Milan na sua área e empata aos 39 minutos com Di Vaio com um golaço de sem-pulo, de fora da área.
O jogador do Milan que recebe a nota mais alta do jornalista da Gazzetta dello Sport é o goleiro Dida (7.5 a sua nota) devido principalmente a duas defesas milagrosas no segundo tempo: após chute de Trezeguet aos 15 minutos e após cabeceada de Di Vaio aos 23 minutos.
Pode-se dizer que o resultado de paridade é justo. Milan e Juventus continuam liderando o Campeonato Italiano com 20 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Simic, Nesta, Maldini, Serginho
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Rui Costa (Kaká)
Shevchenko, Tomasson (Pancaro)


7a rodada, Domingo 26 Outubro 2003, SAMPDORIA  0 X 3  MILAN

Após a derrota da última Quarta Feira com o Bruges, a máquina do Milan volta a funcionar bem em Genova e a Sampdoria é derrotada com o placar de 3 a 0 após uma partida perfeita. O Milan e a Juventus continuam liderando o Campeonato Italiano com 19 pontos e o próximo jogo, Sábado 1º de Novembro, será Milan x Juventus! A seguir uma descrição dos três gols:
- 1º gol aos 38 minutos do primeiro tempo. Rui Costa é desarmado no limite esquerdo da área da Sampdoria, a bola espirra para a linha de fundo-campo e somente Simic acredita que não saia, chega primeiro que todo mundo, passa para traz onde Tomasson toca, sem goleiro, e abre o placar.
- 2º gol aos 14 minutos do segundo tempo. Este gol é o melhor de todos e ficará na história do Milan como um dos gols mais bonitos. O mérito vai a Serginho que faz uma arrancada espetacular pelo lado esquerdo: faz um primeiro triângulo com Seedorf, em seguida um segundo triângulo com Tomasson e depois cruza para o centro da área onde Shevchenko faz gol.
- 3º gol aos 47 minutos do segundo tempo. Tomasson chuta forte de fora da área, o goleiro sampdoriano rebate, a bola chega a Kaká que cruza para Shevchenko fazer o terceiro gol de cabeça.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Simic (Pancaro), Nesta, Maldini, Serginho (Laursen)
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Kaká)
Rui Costa
Shevchenko, Tomasson


6a rodada, Domingo 19 Outubro 2003, MILAN  1 X 0  LAZIO

Jogo interessante entre Milan e Lazio em San Siro: no Milan jogam os ex-laziais Nesta e Pancaro, na Lazio joga o ex-milanista Albertini. No Milan joga Filippo Inzaghi e na Lazio o seu irmão Simone Inzaghi.
A Lazio é um time quadrado, que fecha os espaços no meio-de-campo e que parte em velocidade. No meio-de-campo do Milan Pirlo é sempre presente, Seedorf de vez em quando e Kaká durante períodos: mas quando este toca a bola, dos seus pés saem boas jogadas que divertem os torcedores.
O time treinado por Mancini inicia melhor e chega ao gol aos 17 minutos com o sérvio Stankovic mas o juiz não convalida por impedimento sinalizado pelo bandeirinha Puglisi. O tira-teima mostrará que o impedimento era inexistente: de fato quando Corradi faz o cruzamento para Stankovic este está atrás da linha da bola.
Na segunda metade do primeiro tempo o Milan passa a jogar melhor e chega ao gol aos 37 minutos: Kaká passa a bola para Cafu que chuta forte de longe, o goleiro Peruzzi rebate, a bola chega a Inzaghi que chuta para o gol; desta vez é um defensor que rebate; a bola chega nos pés de Pirlo que a coloca no gol (1 a 0).
No segundo tempo o Milan chega perto do segundo gol: a)Shevchenko acerta o poste à direita de Peruzzi e b)o zagueiro Oddo rebate sobre a linha um chute de Kaká.
O Milan e a Juventus continuam liderando o Campeonato Italiano com 16 pontos.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu (Simic), Nesta, Maldini, Pancaro
Gattuso, Pirlo, Seedorf
Kaká
Shevchenko (Serginho), Inzaghi (Laursen)


5a rodada, Domingo 5 Outubro 2003, INTER  1 X 3  MILAN

Com uma grande atuação do brasileiro Kaká, o Milan vence o derby de Milão derrotando a Inter por 3 a 1 no estádio San Siro. Com o resultado, o Milan lidera o campeonato Italiano ao lado da Juventus com 13 pontos.
Kaká comanda o meio-de-campo, cria várias jogadas ofensivas e recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Também Gattuso recebe nota 7.5. Shevchenko e Maldini recebem nota 7.
Aos 38 minutos do primeiro tempo o brasileiro Kaká sofre uma falta cometida por Cristiano Zanetti. Pirlo bate de uma distância de 25 metros e Inzaghi desvia de cabeça enganando o goleiro Toldo que se joga à sua esquerda enquanto a bola entra no gol à sua direita (0 a 1).
O gol do 0 a 2 acontece no primeiro minuto do segundo tempo quando Gattuso dribla Cristiano Zanetti na área interista e cruza para Kaká que, sozinho, não encontra nenhuma dificuldade em fazer gol de cabeça.
O terceiro gol do Milan é marcado por Shevchenko aos 32 minutos após triangulação com Cafu. O único gol da Inter é de Martins, um minuto mais tarde.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Pancaro (Costacurta)
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Ambrosini)
Kaká
Shevchenko, Inzaghi


4a rodada, Domingo 28 Setembro 2003, MILAN  3 X 0  LECCE

Após a rescisão do contrato de Rivaldo com o Milan, Rui Costa parece jogar mais tranqüilo e juntamente com o jovem jogador brasileiro Kaká domina o jogo no meio de campo.
Aos 12 minutos do primeiro tempo Rui Costa chuta forte de fora da área leccês mas infelizmente acerta o travessão.
Nove minutos mais tarde Kaká passa a bola em profundidade para Rui Costa que chuta, mas desta vez é o poste à esquerda do goleiro leccês Amelia que nega o gol ao número 10 português. A bola rebatida pelo poste chega nos pés de Cafu que cruza para Shevchenko fazer facilmente o gol do 1 a 0.
Também o gol do 2 a 0 é marcado por Shevchenko, aos 23 minutos do segundo tempo, e este é um dos melhores gols da sua carreira. O ucraniano salta três adversários em poucos centímetros de campo e depois chuta à direita do goleiro leccês.
Tomasson marca o gol do 3 a 0 aos 45 minutos do segundo tempo após receber uma mágica assistência de Kaká que encobre o goleiro.
Shevchenko recebe nota 7.5 do jornalista da Gazzetta dello Sport. Rui Costa e Maldini recebem nota 7.
Milan, Juventus e Roma lideram o Campeonato Italiano com 10 pontos.

Escalação do Milan (4-4-2)
Dida
Cafu (Simic), Nesta, Maldini, Serginho
Rui Costa (Brocchi), Gattuso, Pirlo (Redondo), Kaká
Tomasson, Shevchenko (Cafu)


3a rodada, Domingo 21 Setembro 2003, PERUGIA  1 X 1  MILAN

O Milan inicia o jogo contra o Perugia atacando mais para obter a terceira vitória seguida e consegue passar em vantagem aos 19 minutos com Gattuso após ação pessoal. Mas o Perugia empata aos 31 minutos, ainda do primeiro tempo, com o grego Vryzas, de cabeça, após receber um ótimo cruzamento do brasileiro Zé Maria do lado direito do ataque perugino.
O Milan volta a pressionar o Perugia mas neste domingo não está com sorte:
- nos acréscimos do primeiro tempo o goleiro perugino Kalac faz uma defesa milagrosa após cabeceada de Shevchenko;
- no início do segundo tempo Shevchenko chuta mas o poste salva o Perugia;
- aos 18 minutos Inzaghi se machuca após trombada com o goleiro Kalac e é obrigado a deixar o gramado substituido por Tomasson;
- aos 25 minutos Ambrosini é expulso após receber o segundo cartão amarelo.
A este ponto o Milan, obrigado a jogar em 10 contra 11, começa a sentir também o cansaço do jogo contra o Ajax do meio da semana. Portanto o treinador Ancelotti considera que um empate é um bom resultado e substitui Shevchenko com Cafu e o Milan consegue defender o empate sem maiores dificuldades.

Escalação do Milan (4-4-2)
Dida
Simic, Laursen, Maldini, Costacurta
Rui Costa, Gattuso (Pirlo), Ambrosini, Kaká
Inzaghi (Tomasson), Shevchenko (Cafu)


2a rodada, Sábado 13 Setembro 2003, MILAN  2 X 1  BOLOGNA

Quando faltam somente 5 minutos para acabar o jogo, o Milan consegue ganhar também a segunda rodada do Campeonato Italiano graças a Filippo Inzaghi que, apesar de estar circundado por três adversários, consegue se virar, saltar o bolognês Zaccardo, chutar e fazer o gol do 2 a 1.
Logo no início do jogo Shevchenko tinha feito o gol do 1 a 0, de cabeça, após falta cobrada à perfeição por Pirlo. O Bologna tinha empatado ainda na primeira etapa com um forte chute de Nervo: Dida ainda tinha chegado a tocar na bola, mas não firme o bastante para defender.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Simic (Cafu), Nesta, Laursen, Costacurta
Gattuso, Pirlo, Seedorf (Tomasson)
Rui Costa (Serginho)
Inzaghi, Shevchenko


1a rodada, Segunda Feira 1o Setembro 2003, ANCONA  0 X 2  MILAN

O Milan começa bem o Campeonato 2003/04 derrotando o Ancona fora de casa com o placar de 2 a 0. O mérito principal da vitória é de Shevchenko que marca ambos os gols e recebe nota 8 do jornalista da Gazzetta dello Sport.
O ucraniano faz o primeiro gol aos 30 minutos do primeiro tempo cobrando falta, ajudado também por um meio-frango do goleiro anconetano Scarpi.
O segundo gol acontece aos 31 minutos do segundo tempo quando Kaká recebe a bola no meio de campo, a controla, salta um adversário com um chapéu, avança e lança Cafu na direita do ataque milanista. Cafu cruza para o centro da área adversária onde Shevchenko faz o gol do 2 a 0 chutando na saída de Scarpi.
Neste jogo Cafu e Kaká fazem a estreia na Série A italiana com a camisa do Milan.

Escalação do Milan (4-3-1-2)
Dida
Cafu, Nesta, Maldini, Costacurta
Gattuso, Pirlo (Ambrosini), Serginho (Seedorf)
Kaká
Inzaghi (Laursen), Shevchenko


para o Banco de Dados Voltar para o Banco de Dados

logotipo do Milan
Valid XHTML 1.0!   Valid CSS!